i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
polêmica

Premiê de Israel diz que Holocausto foi sugestão palestina

    • Folhapress
    • 21/10/2015 10:44
    Comentário de Binyamin Netanyahu repercutiu e gerou uma onda de críticas a premi~ de Israel | RONEN ZVULUN/REUTERS
    Comentário de Binyamin Netanyahu repercutiu e gerou uma onda de críticas a premi~ de Israel| Foto: RONEN ZVULUN/REUTERS

    Numa declaração que gerou críticas imediatas tanto de lideranças palestinas como israelenses, o premiê de Israel, Binyamin Netanyahu, disse na noite de terça (20) que o Holocausto teria sido ideia de um religioso palestino, e não do ditador alemão Adolf Hitler.

    Segundo Netanyahu, Haj Amin al-Husseini, grão-mufti de Jerusalém entre 1921 e 1937, teria orientado Hitler durante uma viagem a Berlim, em 1941. “Hitler não queria exterminar os judeus naquela época, ele queria expulsar os judeus”, disse Netanyahu. “E Haj Amin al-Husseini disse a Hitler: ‘Se você expulsá-los, eles virão todos para cá’“, completou.

    Na versão de Netanyahu, o ditador alemão teria perguntado, na sequência o que deveria fazer então com os judeus. “Queimá-los”, teria respondido o líder religioso palestino, segundo o premiê israelense.

    À época, antes da criação do Estado de Israel, o território da Palestina estava sob mandato britânico.

    Críticas

    A declaração de Netanyahu foi feita durante o 37º Congresso Sionista Mundial em Jerusalém, horas antes de Netanyahu embarcar para a Alemanha e momentos antes de dividir o palco com o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon.

    O secretário-geral da OLP (Organização para a Libertação da Palestina), Saeb Erekat lamentou o discurso de Netanyahu e disse que o premiê deveria parar de “usar essa tragédia humana para angariar pontos para um fim político”.

    “É um dia triste na história, quando um líder do governo israelense odeia tanto seu vizinho que quer absolver o criminoso de guerra mais notório na história, Adolf Hitler, do assassinato de seis milhões de judeus”, disse Erekat, que é o principal negociador palestino com os israelenses.

    Até o ministro de Defesa israelense, Moshe Yaalon, que é muito próximo a Netanyahu, rechaçou a declaração. “Certamente não foi [Husseini] que inventou a ‘Solução Final’“, disse Yaalon à rádio do Exército. “Foi uma ideia maligna do próprio Hitler.”

    Nas redes sociais, as críticas se propagaram rapidamente a Netanyahu, cujo pai foi um historiador reconhecido.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.