i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Investigação

Presidente da Ucrânia pressiona países por evidências sobre acidente aéreo no Irã

  • Por Gazeta do Povo
  • 10/01/2020 08:36
  • Atualizado em 10/01/2020 às 12:33
Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky
Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, pressiona países aliados por evidências que confirmem que míssil atingiu aeronave no Irã| Foto: AFP

Em nota publicada em página oficial no Facebook na manhã desta sexta-feira, 10, o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, reforçou que, embora EUA, Canadá e Reino Unido afirmem estar convictos de que um míssil atingiu o avião que caiu no Irã, ainda não haviam sido fornecidas provas relacionadas ao acidente aéreo.

Algumas horas depois, Zelensky publicou em sua página pessoal no Twitter uma mensagem agradecendo aos EUA o apoio nas investigações, dando a entender que o serviço de inteligência já havia compartilhado as evidências que detinham sobre a possibilidade de um míssil iraniano ser a causa do acidente. “Grato pelas condolências do povo americano e pelo valioso apoio dos EUA na investigação das causas do acidente de avião. As informações obtidas nos EUA ajudarão na investigação”, publicou o presidente ucraniano.

A nota divulgada pelo presidente ucraniano no início da manhã reforçava que “a versão de que um míssil atingiu o avião não pode ser descartada, mas atualmente não pode ser confirmada". Também trazia tom de cautela e cobrança. “Dados os últimos anúncios feitos pelos líderes dos países nos meios de comunicação, conclamamos nossos parceiros internacionais – em primeiro lugar os governos dos Estados Unidos, Canadá e Grã-Bretanha – a fornecer os dados e as evidências relativas à catástrofe à comissão que está investigando suas causas”, reforçou.

O presidente ucraniano também anunciou no comunicado de que planeja falar sobre a investigação com o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, ainda nesta sexta-feira, 10.

Na tarde de quinta-feira, o primeiro-ministro da Grã-Bretanha, Boris Johnson, e o primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, declararam ter evidências de que o avião ucraniano foi acidentalmente derrubado pelo Irã.

O presidente norte-americano, Donal Trump, também havia sugerido a possibilidade em entrevista na Casa Branca durante a manhã. A afirmação foi feita logo após sites de notícias americanos terem divulgado declarações de autoridades ligadas aos serviços de inteligência dos EUA e do Irã que reforçavam a possibilidade de o avião ter sido atingido por um míssil superfície-ar iraniano.

Durante a quinta-feira, após a divulgação das suspeitas, o Irã anunciou que irá convidar autoridades norte-americanas e representantes da fabricante Boeing para acompanharem as investigações sobre o acidente aéreo – ao contrário do que havia anunciado quando localizaram as caixas-pretas do avião.

A participação de representantes do Canadá e da Suécia já havia sido confirmada pelo Irã, que lidera as investigações do acidente aéreo que vitimou todas as 176 pessoas a bordo, na madrugada de quarta-feira, 8.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.