i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Crise árabe

Presidente do Egito muda discurso sobre superpoderes

  • PorFolhapress
  • 25/11/2012 21:25
Egípcios protestam contra decretos que dá superpoderes ao presidente Mursi | Asmaa Waguih/Reuters
Egípcios protestam contra decretos que dá superpoderes ao presidente Mursi| Foto: Asmaa Waguih/Reuters

Após sofrer críticas internas e externas, o presidente do Egito, Mohamed Mursi, moderou seu discurso ontem ao dizer que os superpoderes que se concedeu na semana passada são "temporários", e sinalizando ao diálogo com a oposição.

O anúncio foi feito um dia depois de os juízes do Conselho Supremo Judicial – a mais alta corte do país – declararem que as medidas eram um "ataque sem precedentes" à independência do Judiciário.

Mursi, ligado à Irmandade Muçulmana, decretou na semana passada que nenhuma atitude tomada por ele desde que assumiu, em junho, é passível de contestação.

Ele deve se reunir hoje com os juízes do Conselho.

O presidente afirmou que quer fazer um chamado às distintas forças políticas do país para que se chegue a um consenso na redação de uma nova Constituição.

Em comunicado, a Presidência egípcia salientou que busca cumprir com as aspirações do povo egípcio, proteger a transição democrática e preservar a imparcialidade da Justiça.

Ontem, no primeiro dia útil depois do anúncio de Mursi (o domingo é dia de trabalho no Egito), membros da Câmara Alta do Parlamento se mostraram divididos sobre os decretos.

Durante sessão no parlamento, o deputado islamita Ezedin el Qomi disse que o decreto busca "fazer frente às conspirações externas e internas que querem desestabilizar o país".

Nagui Shehabi, deputado pelo Partido Geração, afirmou que o presidente Mohamed Mursi optou por restaurar o estilo faraônico de ditar as políticas da nação e, "além de destruir seu juramento constitucional, dividiu o país".

Desde a última sexta-feira, o Egito voltou a conviver com a violência vista na versão egípcia da Primavera Árabe, que, em 2011, derrubou o ditador Hosni Mubarak, especialmente na praça Tahrir, no Cairo, onde oposicionistas de Mursi acampam.

Ontem, houve confrontos nos arredores do Parlamento e do Conselho de Ministros. Manifestantes gritaram lemas de ordem como "abaixo o poder do guia espiritual", em referência ao líder da Irmandade Muçulmana, Mohamed Badia

Segundo o Ministério da Saúde do Egito, pelo menos 297 pessoas ficaram feridas desde a última sexta depois das polêmicas decisões de Mursi.

A bolsa do Cairo despencou ontem ao abrir logo depois das medidas que dão novos poderes ao presidente do país. As ações tiveram uma queda de aproximadamente 10%.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.