i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
vida selvagem

Quase fantasma, Chernobyl é um paraíso dos “animais radioativos”

  • PorDa redação
  • 05/10/2015 19:55
Cervo é visto nas florestas da região de Pripyat, cidade mais afetada pela explosão de Chernobyl | VF/jg/VASILY FEDOSENKO
Cervo é visto nas florestas da região de Pripyat, cidade mais afetada pela explosão de Chernobyl| Foto: VF/jg/VASILY FEDOSENKO

O pior desastre nuclear da história levou mais de 100 mil pessoas a abandonar suas casas na pacata cidade ucraniana de Pripyat para nunca mais voltar. Com níveis de radiação cerca de 20 vezes maior do que o emitido pela bomba de Hiroshima, a explosão da usina de Chernobyl, em 1986, tornou uma área de 4.200 quilômetros (dividida entre a Ucrânia e a Bielorrússia) relativamente fantasma.

Veja imagens da região ao redor da usina de Chernobyl nos dias atuais.

Vídeo mostra voo por cidade fantasma após tragédia de Chernobyl

Poucos conseguiram captar com tanta sensibilidade a melancolia de Pripyat, a cidade ucraniana evacuada em 1986 após a explosão da usina nuclear de Chernobyl, como o cineasta inglês Danny Cooke.

Leia a matéria completa

E o termo “relativamente” nunca fez tanto sentido. Apesar dos imensos riscos que levaram à evacuação quase completa dos humanos, a vida selvagem curiosamente reina mais rica e variada do que nunca, segundo estudo publicado no jornal “Current Biology” nesta segunda-feira (5).

Tal avaliação indica que as mãos humanas eram muito mais perigosas para a natureza do que a absurda radiação emitida no desastre.

Para chegar à conclusão, um grupo internacional sobrevoou diversas vezes a chamada de zona de exclusão Chernobyl, de onde foram evacuados os moradores, para saber como a radiação afetou a população de animais. A análise tinha como base três hipóteses: de que haveria menos animais nas zonas mais contaminadas; de que haveria menos grandes mamíferos na reserva ecológica da Polésia (o ponto tido como mais crítico) do que em reservas próximas não tão contaminadas; e que depois do acidente se notaria um declínio da densidade de mamíferos ao longo do tempo.

Porém, os resultados apontaram que as três hipóteses estavam erradas. Embora tenha havido um declínio no desenvolvimento dos animais nos seis meses que se seguiram à explosão -- provavelmente por problemas reprodutivos causados pelo desastre --, no longo prazo isto se reverteu.

Nasa divulga imagens impressionantes da missão que levou o homem à Lua

A Nasa divulgou na última semana milhares de imagens impressionantes captadas durante os anos de Projeto Apollo. As fotografias foram feitas pelos astronautas que participaram da missão norte-americana de exploração da Lua entre 1969 e 1972.

Leia a matéria completa

“Nosso trabalho mostra que, apesar dos possíveis efeitos da radiação em animais individuais, não se pode detectar um efeito sobre as populações de mamíferos’, explicou Jim Smith, líder do estudo, ao jornal “El País”. “Este é um exemplo notável dos efeitos da presença humana e o uso do entorno: seu desaparecimento na zona de Chernobyl permitiu que os animais prosperassem.”

Segundo o estudo, o número de lobos é sete vezes maior na reserva contaminada pela radiação que em outras regiões semelhantes. A “zona morta” tem mais fauna que nunca, destaca a análise. “É simplesmente por não haver presença humana”, destaca Smith.

Na reserva de Polésia viviam cerca de 22 mil pessoas. Para os cientistas, hoje o número de animais na região é mais elevado do que na época do acidente. Até uma espécie de urso, o pardo, que havia sido extinto do local voltou.

Como os métodos de avaliação são restritos, já que não se pode explorar a área de forma prolongada pelos riscos da radiação ainda hoje, não se sabe quais são as condições de fato destes “animais radioativos”. Os pesquisadores querem agora descobrir quais foram os efeitos reprodutivos e genéticos que sofreram espécies como peixes. “Embora acreditemos que a radiação não afeta as populações de animais, estamos interessados em efeitos mais sutis sobre os indivíduos”, concluiu Smith ao “El País”.

  • Parque de diversão que se tornou símbolo da cidade fantasma de Pripyat
  • Uma das muitas casas abandonadas na região da usina
  • Um crucifixo é visto próximo a um prédio abandonado
  • Um alce pleos pastos radioativos da região de Chernobyl
  • Um porco selvagem à frente de uma casa parcialmente destruída pelo tempo
  • Um homem analisa uma das construções de Pripyat nesta imagem de 2011
  • Trabalhador atrás de uma grade com mensagens proibindo a entrada de pessoas não autorizadas
  • Homem visita uma das casas de Pripyat: moradores foram evacuados sem poder retornar ao local
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.