i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Serviço

A recuperação da América Latina na crise do coronavírus | Entenda em 1 minuto

    • Por Gazeta do Povo
  • 22/10/2020 09:19

Diversos relatórios econômicos internacionais apontam que a América Latina será a região mais atingida na economia pela pandemia do coronavírus. Porém, o Brasil deve ser um dos países menos afetados.

Entenda com a gente o impacto da crise na América Latina

Como será a recuperação econômica da América Latina depois do coronavírus

Entidades como a Comissão Econômica da América Latina e do Caribe e o próprio Banco Mundial estão entre os que apontaram os grandes efeitos da crise na região. Estima-se que o PIB da América Latina deve encolher 7,9% neste ano.

A BBC dos Estados Unidos juntou esses dados com conversas com especialistas e fez uma lista dos países que devem demorar mais para se recuperar da crise. 

Apesar de não ter uma previsão otimista para o Brasil, o país é um dos que corre menos risco na região.

Embora pensem o fato do Brasil ter uma dívida pública correspondente a 91,7% do PIB e um déficit fiscal de R$ 861 bilhões, a previsão da queda do PIB para 2020 é bem baixa.

Um dos motivos que ajudaram a suavizar o impacto na pandemia foi o governo ter liberado linhas de créditos para empresas e o auxílio para as pessoas físicas.

Entre os piores, estão Argentina, Equador, Venezuela e México. Os argentinos possuem uma das economias que mais sofreu no mundo. A previsão é de que o país feche o ano com o PIB 12,3% menor. Segundo especialistas a economia da Argentina não deve normalizar antes de 2023.

O Equador vive a mesma situação, mas além disso, enfrentam um déficit fiscal de 8,9% em 2020. O México deve sofrer muito também com uma queda no PIB de 10% neste ano, isso por evitar ter feito medidas de apoio à economia durante a pandemia.

O Banco Mundial não inclui a Venezuela em seus relatórios, pela falta de dados oficiais. Mas a situação econômica pré-pandemia aliada ao baixo preço do petróleo afetarão ainda mais o país.

Conteúdo editado por:Jenifer Ribeiro dos Santos
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.