A imagem de Laith Majid e sua família  foi compartilhada por milhares de pessoas nas redes sociais | Daniel Etter/The New York Times
A imagem de Laith Majid e sua família foi compartilhada por milhares de pessoas nas redes sociais| Foto: Daniel Etter/The New York Times

O refugiado sírio Laith Majid, fotografado ao chegar na ilha grega de Kos segurando a filha e abraçando outro filho, conseguiu chegar em segurança à Alemanha, segundo o jornal alemão “Bild”, que acompanhou a viagem da família. A imagem deles foi compartilhada por milhares de pessoas nas redes sociais como um reflexo da dor e angústia de milhões de pessoas em fuga de países assolados por guerra e pobreza, na maior crises humanitária enfrentada pela Europa desde a Segunda Guerra.

Alemanha firma acordo de gastar US$ 6,7 bilhões em ajuda a imigrantes

O governo de coalizão da Alemanha concordou na segunda-feira em gastar 6 bilhões de euros (US$ 6,68 bilhões) adicionais para ajudar pessoas que buscam asilo e reforçar as regras para imigrantes que procuram refúgio na Alemanha.

Leia a matéria completa

Majid e sua família chegaram em Kos na madrugada do dia 16 de agosto, depois de atravessarem o Mar Mediterrâneo em um bote lotado, que tinha capacidade para carregar três pessoas, mas levava 12 a bordo. Eles fugiam da cidade de Deir ez-Zor, no Centro-Leste da Síria, que sofrei um bombardeio do Estado Islâmico.

O responsável pela captura da cena foi o fotógrafo Daniel Etter, que vive em Barcelona, mas estava na Grécia para registrar o drama dos imigrantes. Segundo ele, Majid realizou a viagem com a mulher, que é professora de inglês, três filhos e a filha: a família pagou mais de US$ 8 mil (R$ 28 mil) pela travessia de duas horas, vindos da cidade de Bodrum, na costa da Turquia.

Mas agora, os seis membros da família - Laith, de 44 anos, sua mulher Neda, os filhos Mustafa, de 18 anos, Ahmed, de 17 anos, Taha de 9 anos, e a filha Nour, de 7 anos — chegaram à Alemanha, onde fizeram o pedido de asilo.

A rota da praia turca para Kos foi a mesma que terminou em tragédia para o menino Aylan Kurdi, de três, cuja foto se tornou um símbolo da crise migratória na semana passada. Mais de 300.000 refugiados fizeram essa mesma viagem na tentativa de chegar ao continente europeu, e mais de 2.500 pessoas morreram.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]