i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
terremoto

Réplica de 6,9 graus no Chile causa pânico antes da posse de Piñera

Abalo foi um dos mais fortes tremores secundários desde o grande terremoto do último dia 27 de fevereiro

  • PorCelio Martins, enviado especial
  • 11/03/2010 21:01
O novo presidente chileno acena para seus eleitores logo após receber a faixa presidencial, em Valparaíso, cidade onde está localizada a sede do Congresso | Claudio Santana/AFP
O novo presidente chileno acena para seus eleitores logo após receber a faixa presidencial, em Valparaíso, cidade onde está localizada a sede do Congresso| Foto: Claudio Santana/AFP

Direto do Chile

Tremendo de medo

Celio Martins, enviado especial, editor de Mundo

Para os jornalistas estrangeiros o dia da posse do presidente Sebatián Piñera foi horrível. A cada instante uma nova réplica do terremoto balançava tudo. Era quase impossível se concentrar. Agora mesmo, enquanto escrevo, a produtora de tevê Francisca Alvarez, na mesa ao lado, me chama a atenção. Está "temblando", diz ela. E todos olham para os objetos, computadores, lâmpadas, balançando.

Leia o texto completo

  • Veja o local do epicentro grande terremoto de hoje

A posse do multimilionário Se­­bastián Piñera na Presidência do Chile tinha pelo menos um motivo para ser um fato histórico até ontem pela manhã. Afinal, depois de 20 anos de governo da centro-esquerdista Concertación, um novo grupo político chegou ao po­­der. Mas 21 minutos antes da cerimônia oficial os motivos aumentaram. Um novo tremor que atingiu a região central do país transformou o que seria uma festa em desespero.

O ato de transferência de poder foi mantido, apesar do pânico en­­tre os presentes por causa das cons­­tantes réplicas do terremoto que balançavam o prédio do Con­­gres­­so Nacional, em Valparaíso, ci­­da­­de litorânea a 120 km de San­­tiago.

Alertado por auxiliares das consequências dos novos abalos sísmicos, Piñera nem bem recebeu a faixa presidencial de Mi­­chelle Bachelet e começou a agir. O almoço com as delegações es­­trangeiras, previsto no protocolo da festa, foi apenas simbólico para o presidente, que permaneceu à mesa por poucos minutos e não chegou nem a comer. Ele embarcou imediatamente para Ranca­­gua, cidade mais atingida pela réplica de ontem. De lá partiu pa­­ra Concepción, a segunda maior cidade do Chile e uma das mais afetadas pelo terremoto do dia 27.

Os novos abalos sísmicos pegaram a equipe do novo governo de surpresa. Temendo o que ocorreu no grande tremor do dia 27, quando o governo de Bachelet errou ao não alertar a população das re­­giões costeiras sobre os riscos de ma­­remotos, os auxiliares de Pi­­ñera agiram rápido ontem. Assim que foi confirmado o abalo sísmico em Rancagua, a Oficina Nacio­­nal de Emergências (Onemi) di­­vulgou alerta de tsunami. As sirenes provocaram correria em vá­­rias cidades, com as pessoas desesperadas sem saber o que fazer. Muitas fugiram para lugares mais altos. Poucas horas depois o alerta foi suspenso.

O tremor mais forte de ontem teve intensidade de 6,9 graus. Até o início da noite já haviam sido registradas 12 réplicas do tremor em várias cidades, incluindo a capital. Além de danos em estradas, os abalos interromperam mo­­mentaneamente os serviços de comunicação de parte do país. Não houve registro de mortes.

Medidas

Pressionado pela urgência em atender as vítimas dos terremotos, durante as visitas a Rancagua e Concepción o novo presidente anunciou que foram estabelecidas algumas prioridades, entre elas encontrar os desaparecidos, restabelecer os serviços básicos e reformular o programa de go­­ver­­no divulgado antes da catástrofe.

Na prática, no entanto, Piñe­­ra anunciou pouco. A principal me­­dida prevê o envio ao Con­­gresso de um projeto de lei para distribuir bônus de 40 mil pesos (R$ 150) a cada família atingida pela tragédia. Cerca de 4,2 mi­­lhões de pessoas devem ser be­­neficiadas.

Demonstrando ser bom de re­­tórica, o novo chefe de Estado chi­­­­leno declarou que "o bônus não significa nada diante da dor, mas é um alívio a quem mais precisa".

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.