i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Curioso

Tropeços e restaurações: relembre 5 desastres envolvendo obras de arte

  • PorGazeta do Povo
  • 26/08/2015 10:36
 | rc/CESAR MANSO
| Foto: rc/CESAR MANSO

Um tropeço desastroso que virou notícia no mundo todo! O caso do menino taiwanês que, por infelicidade, danificou uma pintura histórica e milionária após um pequeno desequilíbrio em um museu de Taiwan rodou o mundo nesta terça-feira (25).

Mas não foi a primeira trapalhada envolvendo obras de grande valor artístico e histórico. Relembre cinco casos:

Ecce Homo

“Ecce Homo” em três momentos: à esq. na versão original; no centro, desgastada pelo tempo; è dir. , após sua restauração Divulgação

É possivelmente o caso mais famoso. Em 2012, uma idosa espanhola, Cecilia Giménez, errou a mão ao tentar restaurar a pintura “Ecce Homo”, do início do século 19. De autoria do artista Elías García Martínez, a obra foi feita na parede do santuário da cidade de Borja, na Espanha.

Cecilia, hoje com 84 anos, sempre fazia pequenos retoques no afresco, mas, ao tentar uma intervenção mais ousada, acabou por desconfigurar a pintura. Um jornal local denunciou o erro e, em pouco tempo, a restauração desastrosa virou notícia no mundo todo.

Curiosamente, a “releitura da obra” aumentou o fluxo de visitantes no santuário e tornou a restauradora uma improvável heroína da pequena cidade. Recentemente, ela ganhou uma ópera, composta e dirigida por um artista norte-americano.

Mosaicos na Turquia

À esquerda, o mosaico original. À direita, a versão após a restauração Divulgação

Valiosos mosaicos do período do Império Romano foram seriamente danificados em uma restauração mal sucedida feita em um museu no sul da Turquia, em maio deste ano.

Os erros na restauração foram apontados por um artesão turco chamado Mehmet Daskapan, que divulgou fotos do antes e depois das peças. São 10 mosaicos, parte do acervo do Hatay Archaeology Museum, que agora “se tornaram caricaturas do que eram e perderam totalmente seu valor original”, diz Daskapan.

Ainda de acordo com o artista, a restauração não seguiu regras básicas, como usar peças de cor e formato semelhantes às originais. O resultado são expressões faciais distorcidas e desenhos distorcidos.

Selfie desastrada

Em maio deste ano, dois turistas enfrentaram acusações criminais após danificarem uma estátua de mármore em Cremona, na Itália. Eles quebraram a coroa da “Estátua de Dois Hércules” no momento que tentavam escalá-la para fazer uma selfie.

A obra é do século 18 é um símbolo da cidade, o que causou a indignação das autoridades locais, como reportou na época o “Corriere Della Sera”.

Vaso milenar

Também em maio, um visitante quebrou um vaso milenar grego ao tentar se apoiar nele depois de perder o equilíbrio. O acidente aconteceu em museu arqueológico na Ilha de Creta, na Grécia, segundo informações do jornal norte-americano “The New York Times”.

O desastrado visitante sofreu um pequeno machucado na perna. Já a obra precisou de alguns dias e muito trabalho até sua total recuperação.

Virgem Maria

Dedo da estátua danificada após descuido de visitante Divulgação

Em 2013, um turista norte-americano quebrou o dedo de uma estátua de Virgem Maria de 600 anos que estava exposta em um museu de Florença, na Itália.

Segundo a revista “Time”, o desastre aconteceu quando o visitante tentava comparar o tamanho de sua mão com a da obra de arte. O resultado foi catastrófico. “Em um mundo globalizado, esperávamos que regras gerais de visitação, como não tocar as peças, fossem respeitadas em qualquer lugar”, disse na época o diretor do museu, Timothy Verdon.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.