i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Voto direto

Turcos aprovam a eleição de seu presidente por sufrágio universal

  • PorAFP/G1/Globo.com
  • 21/10/2007 16:09

Os turcos aprovaram neste domingo, sem surpresas e com baixa participação nas urnas, a eleição de seu presidente por sufrágio universal, uma das reformas defendidas por este referendo que se viu afetado pelo ataque curdo ao exército do país.

Dos votantes, 69,4% respaldaram a proposta do partido no poder, informou a Comissão Eleitoral, com base em 97,5% dos votos apurados. Os contrários à proposta foram 30,5%.

Tal como estava previsto, a taxa de participação foi baixa: 64,8% diante dos 85% registrados nas legislativas há três meses.

Mais de 40 milhões de eleitores foram convocados às urnas em 134.000 colégios eleitorais.

A reforma submetida ao referendo propunha eleições por sufrágio universal do presidente do país para um mandato de cinco anos renováveis uma só vez. Atualmente, o chefe de Estado é eleito pelo Parlamento para um mandato único de sete anos.

O texto também propunha a realização de eleições legislativas a cada quatro anos, em vez dos cinco atuais.

O Partido da Justiça e do Desenvolvimento (AKP, no poder), que promove as reformas, fez campanha pelo 'sim', enquanto que a oposição pediu que os eleitores se reunissem em torno do 'não' ou que se abstivessem.

Na semana passada, o AKP aprovou no Parlamento uma emenda ao projeto para evitar um eventual recurso jurídico contra a validez do mandato de sete anos do atual presidente Abdulá Gul.

Segundo vários juristas, as novas disposições do projeto obrigavam que o presidente, eleito em agosto pelos deputados, se submetesse à votação popular em um prazo de 40 dias.

Um determinado artigo do texto determinava que o décimo primeiro presidente turco deveria ser eleito pelo povo e Gul já é o décimo primeiro.

Os turcos estão pouco acostumados aos referendos, o último deles foi realizado em 1988. Há dias, as televisões denunciam a falta de informação dos eleitores.

O partido do primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdogan, trabalha já numa nova Constituição que substituirá a atual, herdada dos militares com o golpe de Estado em 1980.

Quando os turcos começaram a votar, chegaram as primeiras informações do ataque dos rebeldes, o mais sangrento desde que o separatista Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) começou sua luta armada há 23 anos no sudeste do país.

No incidente, 12 soldados turcos morreram, oito continuavam desaparecidos e outros 16 ficaram feridos neste ataque realizado nas primeiras horas de domingo pelos separatistas do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) contra um batalhão na província de Hakkari, nas proximidades da fronteira iraquiana. Do outro lado, 32 rebeldes perderam a vida.

Esta é a primeira operação rebelde importante desde que o Parlamento turco decidiu autorizar, na última quarta-feira, as incursões militares no norte do Iraque para atacar as bases rebeldes, caso se fizesse necessário.

Bagdá e Washington se opõem a uma operação "unilateral" da Turquia no norte do Iraque. Os governantes iraquianos anunciaram que resistirão diante de uma incursão militar turca em seu território.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.