Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Detalhe da garrafa de whisky que foi vendida pelo equivalente a R$ 110 mil | Reprodução
Detalhe da garrafa de whisky que foi vendida pelo equivalente a R$ 110 mil| Foto: Reprodução

Genebra – A União Soviética foi dissolvida há 15 anos. Sua bandeira, hino e outros símbolos nacionais desapareceram. Mas na internet, a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS) continua resistindo. Isso porque o endereço .su (Soviet Union) ainda está em funcionamento e, para a surpresa dos administradores da rede mundial de computadores, um número cada vez maior de sites é registrado com esse nome.

O registro de endereços na internet foi criado no final da década de 1980 na Califórnia por acadêmicos. Mas logo passou para as mãos da Internet Assigned Number Authority (IANA). Em 1998, por decreto do presidente dos Estados Unidos Bill Clinton, a Internet Corporation for Assigned Names and Numbers (ICANN) foi criada para gerenciar a rede e incorporou as incumbências da IANA. A idéia da entidade era a de manter endereços apenas de países que existem.

"Usamos uma lista reconhecida internacionalmente de países e é nisso que nos baseamos," explica o porta-voz da ICANN na Europa, Andrew Robertsson. "Portanto, com o fim da União Soviética, não havia mais motivo para a manutenção do .su," disse. O problema, porém, é que a empresa que o registrou em Moscou se recusa a se desfazer do endereço.

"O conselho executivo da ICANN já determinou que vai encerrar os registros nesse nome. Não sabemos qual será a data, mas isso vai ocorrer em breve," afirmou a ICANN, que quer "limpar" a web e garantir o funcionamento da rede.

Curiosamente, o endereço .su foi registrado pelos soviéticos poucos meses antes do colapso da URSS e nos primeiros dias da Internet. Nos documento da ICANN, o registro é de 19 de setembro de 1990. Quinze meses depois, a URSS deixava de existir. Cada república soviética ganhou seu próprio endereço e a Rússia passou a usar o .ru.

Em Moscou, a ICANN confirma que uma resistência foi formada para impedir o fim do nome, como uma forma de barreira ao desaparecimento de um país.

Hoje, cerca de 10 mil endereços estão registrados com o final .su. Só em 2007, 1,5 mil novos sites foram criados.

São sites de empresas de turismo (www.blacksea.su), de música (www.metallist.su) e mesmo de empresas e partidos políticos. Para resistir à ICANN, o administrador do endereço em Moscou anunciou que o registro dos sites com .su seria barateado.

Segundo a entidade com sede nos Estados Unidos, há vários exemplos no mundo de sites que, desde o início da revolução da internet, deixaram de existir e não há porque manter o .su. Com o fim da Tchecoslováquia em 1993, os sites .cs foram eliminados do sistema. A Eslováquia ganhou o .sk e a República Tcheca ficou com .cz.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]