Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
 | Arquivo/Abuelas de Plaza de Mayo
| Foto: Arquivo/Abuelas de Plaza de Mayo

Conforme já especulado, o Vaticano confirmou nesta quarta-feira (23) a abertura em poucos meses dos arquivos relativos à ditadura militar na Argentina (1976-1983) por vontade do papa Francisco, indicou o porta-voz da Santa Sé, padre Federico Lombardi.

Após viagem a Cuba, Obama chega à Argentina para visita de dois dias

Leia a matéria completa

“Como já anunciado no passado, o papa Francisco manifestou seu desejo de abrir para consulta os arquivos do Vaticano relativos à ditadura na Argentina”, afirmou. (1976-1983).Para isso, é necessário catalogar o material, explicou.

“O trabalho está sendo realizado e achamos que terminará nos próximos meses”, acrescentou Lombardi.

Em geral, os documentos tratam-se de cartas que eram recebidas por religiosos sobre desaparecidos. Há também jornais da época.

Críticas

Quando nomeado, o pontífice foi criticado por diversos integrantes de grupos de direitos humanos, que chamara de omisso durante o período de repressão na Argentina. O caso diz respeito a dois religiosos que foram sequestrados e depois liberados. O Papa, no entanto, sempre defendeu que fez todo o possível para ajudá-los.

Nesta quarta-feira (24), completam-se 40 anos do último golpe militar na Argentina

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]