i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Honduras

Zelaya não voltará ao poder, diz governo interino de Honduras

Zelaya, que havia dito que voltaria na quinta-feira a Honduras, adiou o regresso ao país ao menos até o fim de semana, para esperar o fim do prazo dado pela OEA

  • Porreuters
  • 01/07/2009 13:25

O governo interino de Honduras que se instalou após a destituição de Manuel Zelaya buscou nesta quarta-feira ganhar legitimidade e afirmou que o presidente deposto não voltará ao poder se retornar ao país.

Enrique Ortez, ministro das Relações Exteriores do governo interino que assumiu após o golpe de Estado, disse à Reuters que Zelaya será detido mesmo se voltar a Honduras acompanhado de líderes latino-americanos.

A Organização dos Estados Americanos (OEA) uniu-se ao coro mundial de condenação ao golpe e deu um ultimato de 72 horas ao governo interino para que garanta o "retorno imediato, seguro e incondicional do presidente a suas funções constitucionais."

"Se essas iniciativas não prosperarem num prazo de 72 horas, a Assembléia Geral Extraordinária aplicará imediatamente o artigo 21 da Carta Democrática Interamericana para suspender Honduras", disse o organismo em uma resolução aprovada nesta quarta-feira.

Mas Ortez afirmou: "Enquanto nós estivermos, não há a mínima, não há a mais remota possibilidade de um governo que desacatou as ordens judiciais voltar ao poder. A soberania não se negocia, nós não estamos negociando absolutamente nada."

Zelaya, que havia dito que voltaria na quinta-feira a Honduras, adiou o regresso ao país ao menos até o fim de semana, para esperar o fim do prazo dado pela OEA.

O presidente deposto viajou de Washington, onde participou da reunião da OEA, ao Panamá para assistir à posse do novo mandatário do país, Ricardo Martinelli.

Militares retiraram Zelaya de sua casa no domingo sob a mira de fuzis e o obrigaram a sair do país e ir para a Costa Rica, num momento em que promovia uma consulta popular que abriria o caminho para a reeleição presidencial, considerada inconstitucional pelos tribunais e pelos partidos políticos.

"Temos fé em Deus de que vamos recuperar a confiança desses países que têm sido cooperantes", disse o chefe interino do país, Roberto Micheletti, a jornalistas na tarde de terça-feira, preocupado com a possibilidade de sanções ao empobrecido país da América Central.

O secretário-geral da OEA, José Miguel Insulza disse que quer acompanhar Zelaya em seu regresso a Honduras, junto com a presidente da Argentina, Cristina Kirchner, e o mandatário do Equador, Rafael Correa, embora as autoridades do governo interino tenham dito que Zelaya será preso quando chegar ao país.

"Independentemente de com quem ele se encontrar, a polícia vai agir para prendê-lo e colocá-lo à disposição dos tribunais da República", disse o procurador-geral hondurenho, Luis Alberto Rubí, à rede de televisão CNN em espanhol.

As acusações contra o presidente deposto vão desde abuso de poder até narcotráfico.

Zelaya, assim como Micheletti, é do Partido Liberal, mas sua guinada para a esquerda e sua proximidade ao venezuelano Hugo Chávez durante o último ano de governo irritaram políticos e empresários conservadores.

Apesar das demonstrações de apoio internacional a Zelaya, os hondurenhos permanecem divididos entre o que vêem como um presidente que luta contra as elites em favor dos pobres e os que advertem que ele é um populista perigoso que busca seguir a trilha radical de seus aliados de esquerda.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.