i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Artigo

A importância dos grupos de apoio a dependentes

Atacar grupos como o Alcoólicos Anônimos é ignorar sua natureza

  • PorPaulo Leme Filho
  • 18/07/2018 00:01
 | Christian Rizzi/Arquivo Gazeta do Povo
| Foto: Christian Rizzi/Arquivo Gazeta do Povo

A dependência química é um mal terrível – e quem a enfrenta, seja na condição de dependente, seja na condição de familiar, sabe bem do que estou falando. Nessa batalha, toda ajuda não é apenas bem-vinda, mas imprescindível.

É por isso que não consigo entender a razão pela qual, volta e meia, alguém dedique tempo e recursos para atacar os grupos de apoio, como é o caso, dentre outros, do mais antigo deles, o Alcoólicos Anônimos. As críticas, dessa vez, são da jornalista Gabrielle Glaser, que, em entrevista à revista Época, disse que o AA criou uma “indústria” de US$ 35 bilhões apenas nos Estados Unidos e que “ganha” com o problema.

Acho estranho que alguém ataque a abstinência como solução para a doença do alcoolismo, ao mesmo em tempo em que propagandeia que o certo, para esses doentes, seria beber menos, mas desde que tomando um certo remédio chamado Naltrexona. Pergunto-me se a “ciência” do remédio milagroso, que tudo cura e custa caro, vale também para o consumo moderado de crack ou para que o diabético possa comer açúcar.

Quem procura um grupo de apoio o faz não para encontrar uma religião, mas para salvar a vida

No Brasil, conhecemos bem as consequências das relações vergonhosas entre governo e empresas. Mas isso não é exclusividade nossa: para ficar em um exemplo norte-americano, lembremos que a tragédia da heroína (que, por lá, mata mais pessoas por ano que uma Guerra do Vietnã) começou quando a indústria farmacêutica impôs seus interesses acima dos da sociedade.

De qualquer modo, me parece evidente que a jornalista não sabe – ou não quer saber – como funcionam esses grupos.

Em primeiro lugar, quem procura um desses grupos de apoio o faz não para encontrar uma religião, mas para salvar a vida (a própria ou a de alguém querido). Quando estive à beira da morte lenta e vergonhosa, fui bater às portas do AA e, sinceramente, religião era coisa que passava longe, mas muito longe de minha cabeça. E se ainda hoje, após mais de 21 anos de abstinência, frequento as salas de Amor-Exigente é porque não quero voltar ao inferno – e, com sorte, quem sabe, evitar que meus filhos passem pelo que passei. Quando procuro religião, vou aonde ela é ministrada.

Leia também: Efeitos e mitos do consumo de maconha por adolescentes (artigo de Pablo Roig, publicado em 12 de julho de 2018)

Leia também: Maconha, glamourização e realidade (artigo de Carlos Alberto Di Franco, publicado em 15 de janeiro de 2017)

Em segundo lugar, AA, Narcóticos Anônimos, Al-Anon, Nar-Anon e Amor-Exigente são grupos gratuitos – e não são donos de clínicas ou comunidades terapêuticas. Há proprietários de clínicas lá? Sim, assim como há operários, advogados, garçons, engenheiros, camelôs, médicos e desempregados.

Em terceiro lugar, a crítica ignora que a força desses grupos está numa só palavra: voluntariado. Há milhões de pessoas no mundo que, anônima e gratuitamente, trabalham para que outras possam voltar a ter uma vida digna e produtiva – e o fazem pelo simples fato de perceberem que as primeiras a serem ajudadas são elas próprias.

São grupos que, longe de merecer qualquer ataque, precisam ser fortalecidos, inclusive com o apoio do Estado.

Paulo Leme Filho é advogado, fundador do Movimento Vale a Pena e autor de “A doença do alcoolismo” e “Vai valer a pena”.
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.