i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Artigo

A luta dos direitos humanos contra a família

Foi exatamente isso que aconteceu na Inglaterra: o Estado passa a decidir pelos pais quando a vida começa e quando ela termina.

  • PorFrancisco Augusto Garcia com a colaboração de Juliana Carvalho Ramos
  • 14/07/2017 00:01
 | Pixabay/
| Foto: Pixabay/

Até um ano atrás nunca tinha ido ao cemitério. Não tinha ninguém para visitar e não me sentia muito confortável com a situação. Até que minha mãe faleceu e passei a frequentar com alguma regularidade esse campo da esperança. Na minha última visita, encontrei uma lápide de um bebê de quatro meses que me fez reconhecer o óbvio: para morrer, basta estar vivo. Mas isso não nos deve afligir. Pelo contrário, é vendo a morte que entendemos o respeito que temos de ter à vida, que deve ser valorizada e protegida.

Mas, se por um lado não podemos, mesmo que queiramos, esticar a duração da nossa vida para sempre, tampouco podemos abreviá-la. E, por instinto, ou por caridade, aqueles que são mais frágeis, são ou deveriam ser mais assistidos.

Leia também: As humanidades na formação médica

Não foi o que vimos que aconteceu com o bebê de 10 meses, Charlie Gard. Tendo nascido na Inglaterra com uma doença rara e grave, poderá ter seus aparelhos desligados contra a vontade da família, em favor dos “direitos humanos”. A pergunta, diante de tamanho assombro, é: como chegamos a esse ponto, ou como uma mãe pode escolher matar o próprio filho (na Inglaterra o aborto é liberado), mas não mantê-lo vivo?

Já não é de hoje que vemos essa batalha dos “direitos humanos” contra a vida e contra a família. Ora com o argumento de proteção das mulheres, ora simplesmente pelo direito dessas decidirem unilateralmente sobre seus corpos, buscam o aborto e a submissão dos valores familiares aos interesses governamentais.

Só nos Estados Unidos, foi tirada a vida de mais de 50 milhões de bebês em nome dos “direitos humanos” por meio do aborto legal. Estatisticamente, 50% seriam mulheres. Ou seja, matam-se mulheres para “proteger” mulheres. No Brasil, mesmo com a maioria da população contrária ao aborto, tentam por meio do ativismo judicial liberar o assassinato de bebês, como é o caso da ADI 5581 e da ADPF 442.

Foi exatamente isso que aconteceu na Inglaterra: o Estado passa a decidir pelos pais quando a vida começa e quando ela termina. Quem merece viver e quem merece morrer. E zero proteção para as famílias, que é quem voluntariamente assume todo custo social da criação e educação dos filhos.

Contavam-me recentemente sobre o último suspiro de uma mãe, que há 14 anos lutava contra o câncer, tendo evoluído agressivamente para uma metástase cerebral no último ano. Mesmo sem perspectiva de cura há mais de 6 anos, não lhe negaram o direito de lutar e de viver. Sem conseguir enxergar, se comunicar, e respirando com muita dificuldade, não lhe foi negada o conforto de analgésicos, uma sonda para se alimentar, as músicas que tanto lhe agradavam, a visita dos que a amavam e particularmente a presença de um familiar segurando sua mão. Houve sofrimento? Sim, houve.

Leia também: Impacto nos pacientes com câncer no tratamento via supercomputador

“Estamos evitando um sofrimento inútil” – dirão alguns sobre a morte do pequeno Charlie. Talvez este seja o problema: perdemos o sentido do sofrimento. A nossa ética contemporânea já não nos permite tratar do sofrimento com as noções de virtude e de fim último, sobrando apenas a visão estoica do sofrimento. E não é só isso. Perdemos o valor da vida, o papel da família e um pouco mais da nossa liberdade.

Francisco Augusto Garcia é especialista em políticas públicas para primeira infância.
Juliana Carvalho Ramos é enfermeira especialista em estomaterapia.
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.