i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Artigo

A sociedade do espetáculo

  • PorDiogo Chiuso
  • 12/10/2020 11:10
A sociedade do espetáculo
| Foto: Marcos Tavares/Thapcom

Nesse clima de confusão e radicalismos extremos, é preciso lembrar que, como dizia Georges Bernanos, uma civilização não desmorona como um edifício, mas vai esvaziando-se pouco a pouco de sua substância até que não lhe reste nada mais do que apenas uma casca.

Para dar um exemplo recente, a respeitável agência de notícias Reuters informa que um cientista de Hong Kong desenvolveu uma “ginoide” – feminino de androide –, que é algo mais ou menos como uma boneca inflável que finge ter sentimentos. O fato levantou algum entusiasmo, mas a alegria durou pouco. Sophia, a boneca inflável e inteligente, tornou-se cidadã da Arábia Saudita, com direitos e deveres. Creio cá com meus preconceitos que Sophia terá mais deveres que direitos, mas isso não é da minha conta.

De qualquer modo, aventuras tecnológicas deste tipo já têm nome social: transumanismo. E as promessas não são poucas: do fim da calvície à visão para cegos; de surdos que ouvem a paralíticos que levantam e andam. Já não falamos mais do romantismo de corpos congelados até que surja a cura de uma doença incurável; tampouco de pílulas com microchips e alimentos sem glúten. O que nos prometem agora é a realidade artificial dos Übermenschen, que consiste num upgrade do homem, subtraindo todas as suas imperfeições e adicionando poderes superespeciais nunca antes vistos desde os Cavaleiros do Zodíaco.

É óbvio que a ciência, com sua inteligência artificial, trará benefícios para a nossa vida cotidiana. Também é óbvio que a imprensa sempre se entusiasmará com o lado mitológico e cinematográfico das descobertas científicas, criando expectativas que nunca serão satisfeitas e frustrações que nunca serão superadas. Mais óbvia, porém, é a incoerência de um homem imperfeito ter a pretensão de ligar na sua tomada de três pinos uma fabulosa e perfeitíssima criatura bivolt que pode melhorá-lo. Não há imperfeição mais perfeita que se iludir com a própria ilusão.

No fim das contas, parece que chegamos a uma contraposição de dois apocalipses literários que marcaram o século 20: 1984, de George Orwell, e Admirável mundo novo, de Aldous Huxley. Duas tentativas de descrever as catástrofes políticas alimentadas pelos devaneios ideológicos. Orwell preocupava-se com a supressão de liberdade gerada por Estados totalitários: com o intuito de garantir a igualdade entre os homens, muitos regimes fizeram todos iguais, embora alguns fossem mais iguais que outros, dependurando-se numa burocracia privilegiada que determinava as condutas permitidas pelo Estado.

Já Huxley se preocupava com algo um tanto mais sutil, e que atualmente parece muito mais perigoso: em vez de sermos dominados por uma tirania ideológica, somos drenados pela insignificância ao ponto de entrarmos num processo de desaculturação. Uma variante das invasões bárbaras, desta vez sem godos, visigodos ou Átila, o Huno; o barbarismo agora chega de forma pacífica e muito voluntária, por redes wi-fi, aplicativos e gadgets eletrônicos.

Enfim, já estamos vivendo o mal-estar da civilização apontado por Freud. Quando nada tem sentido, precisamos encontrar uma razão para nos mantermos de pé diante do tédio e do fardo da existência, como reclamava Flaubert. Nossa geração já não sabe mais conceber a vida para além do conforto frívolo, e jamais admite uma opinião contrária ao seu voluntarismo fanático pela busca do poder. Então, não resta muito mais que abraçar uma idolatria no meio do apocalipse iminente. Mas todo ídolo cobra sacrifícios. E no mundo do absurdo, onde todos têm razão, a vítima a ser imolada é sempre a nossa sanidade.

Diogo Chiuso é editor de livros.

1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 1 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • S

    Saber é poder

    ± 8 horas

    É muito clichê num texto só. Vamos atualizar nossas leituras, por favor. Estou de **** cheio de ler sempre a mesma baboseira. Novidade e otimismo não faz mal. Aliás, hoje em dia, o otimismo é uma novidade. Observe os filmes: os americanos sempre vistos com deficiências e vícios, os chineses sempre como heróis perfeitos. Há algo muito errado aí.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso