i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
artigo

As divisões do papa na guerra ambientalista

  • PorFrancisco Borba Ribeiro Neto
  • 21/06/2015 00:01

É famosa a pergunta de Stálin: quantas divisões militares tem o papa? Nenhuma. Por isso sua relevância seria irrisória para o ditador. Mas eis que os tempos passaram, o império soviético, com seu exército e suas armas, se foi em míseros 80 anos, e a Igreja milenar e seu frágil líder continuam aí.

Outros me lembram como os católicos são inconstantes, pouco afeitos à própria moral sexual católica etc. Certa vez ouvi dizerem a um bispo que os jovens poloneses que foram a Roma, nos funerais de João Paulo II, emporcalharam a cidade com suas camisinhas. O bispo respondeu: pode ser, mas mesmo assim eles quiseram estar ali, por que será?

Analisando as repercussões da nova encíclica “ecológica” do papa Francisco, Laudato si’, um acadêmico especializado em ecologia explicou que os líderes dos países não tinham motivos para seguir as indicações deste homem sem poder político e numa instituição de influência cultural declinante. A encíclica serviria para a opinião pública – modo educado de dizer que serve para quase nada.

Contudo, este homem sem forças políticas, escolhido para dirigir uma Igreja que enfrentava uma grave crise institucional, rapidamente se tornou o líder mais amado e com maior autoridade moral do planeta. O coração do ser humano pode se dobrar ao poder, mas na verdade deseja o verdadeiro e o bom, no qual ele acaba por reconhecer o belo.

A guerra do meio ambiente não é só do papa, mas de toda a humanidade

Esta é a estranha descoberta que a Igreja fez no segundo milênio de sua história: a perda de poder político, de capacidade de determinar a moral social, não retira a sua importância e a sua fecundidade, porque ela não se manifesta com a força do poder (pelo contrário), mas sim com a autoridade do amor – palavra aparentemente ilusória, mas que outras os homens tanto desejaram e às quais tanto esforço dedicaram?

É com estas “divisões” que o papa Francisco entra na guerra ambientalista. O campo de batalha está devastado pela solidão do individualismo e os guerreiros vitoriosos, quando sóbrios, olham para a pilhagem e dizem “embriaguemo-nos para esquecer que o saque não valeu a batalha”.

As divisões do papa, invisíveis e frágeis, vêm dizer que a vegetação ainda pode brotar nos campos devastados, que a paz pode substituir a batalha e que a embriaguez do esquecimento pode ser substituída pela alegria da festa. E as pessoas esperam ansiosas por esta “boa nova”.

A guerra do meio ambiente não é só do papa, mas de toda a humanidade. Não será ele, nem sua Igreja, a vencê-la sozinho. Mas os homens lutarão com redobrada força e alegria por terem este aliado com eles. Francisco vem para “levantar o moral da tropa”, e a recepção dada à encíclica no mundo todo mostra que esta contribuição é muito bem-vinda.

Faz isso mostrando o quanto esperamos por um olhar amoroso, pela afirmação de um sentido para a vida, por ter o coração aquecido pela solidariedade para com o fraco e para com aquele que sofre. Essas são as armas com as quais reforça a guerra pelo meio ambiente.

Lá no fundo, deixa entreaberta a porta do pedido por um Deus de amor para toda a humanidade. Mas, como ele mesmo disse, esta encíclica é para todos – e não só para os católicos.

Francisco Borba Ribeiro Neto, biólogo e sociólogo, é coordenador do Núcleo Fé e Cultura da PUC-SP e foi professor de Ecologia na PUC-Campinas.
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.