i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
sínteses – há motivos para o impeachment de dilma?

As razões político-jurídicas do impeachment

  • PorIves Gandra da Silva Martins
  • 18/08/2015 00:01

A Lei 1.079/50, modificada pela Lei 10.028, declara, em seu artigo 9.º, inciso III, ser crime de responsabilidade do agente público não tornar efetiva a responsabilidade de seus subordinados em face de delitos funcionais ou atos contrários à Constituição. Por outro lado, o §4.º do artigo 37 da CF e o artigo 11 da Lei 8.429/92 estabelecem que constitui ato de improbidade do agente público a ação ou omissão que viole deveres de honestidade, imparcialidade, legalidade e lealdade às instituições.

Por fim, o Superior Tribunal de Justiça, nos recursos especiais 816.193-MG (2006/0015183-8), de relatoria do ministro Castro Meira; e 1.375.364-MG (2010/0222887-9), de relatoria do ministro Henrique Martins, decidiu ser a “culpa grave” ato de improbidade administrativa, realçando-se, no voto do ministro Henrique Martins, o trecho seguinte: “A jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça reconhece que o ato de improbidade administrativa não exige a ocorrência de enriquecimento ilícito, sendo a forma culposa apta a configurá-lo”.

Dilma demonstrou, pelo menos, se não conivência, uma fantástica incapacidade gestora e uma inacreditável omissão

Distorce o presente quem não situa o passado

Só aos tolos é permitido minimizar a vontade popular e também, somente a eles, toca a análise rasa e direcionada. Há nas ruas a comparação entre o que o país viveu em 1992, com o presidente Collor, e a atual situação do governo.

Leia o artigo da vice-prefeita de Curitiba, Mirian Gonçalves

Ora, a presidente Dilma foi presidente do Conselho de Administração da Petrobras, tendo declarado que, se conhecesse melhor os pormenores da “operação Pasadena”, não teria autorizado sua compra; foi ministra-chefe da Casa Civil, depois de ter sido ministra de Minas e Energia; e foi presidente da República, tendo mantido Graça Foster no cargo de presidente da Petrobras entre fevereiro de 2012 e fevereiro de 2015, tempo que cobre parte de ambos os mandatos presidenciais. Foi sob a gestão de Graça que parte do “saque” à Petrobras foi realizado. Dilma demonstrou, pelo menos, se não conivência, uma fantástica incapacidade gestora e uma inacreditável omissão, a que se acrescem negligência, imperícia e imprudência em permitir que tudo isso ocorresse, além do fato de não ter tornado efetiva a responsabilidade desses subordinados pelos atos lesivos que praticaram.

No início deste ano, elaborei parecer em que analisei a culpa grave como justificativa do impeachment. A diferença entre culpa e dolo é que, na primeira hipótese, o gestor público age com imperícia, imprudência, negligência ou omissão, enquanto na segunda há nítida intenção de lesar, por fraude, concussão, corrupção ou má-fé. Parece-me, pois, à luz do inc. V do art. 85 da CF, estar caracterizado o ato de omissão culposa grave a justificar a tipificação como crime de responsabilidade administrativa, previsto na Lei 8.429/92, art. 11.

Ora, a interpretação do § 4.º do artigo 85 dada pelo procurador-geral da República, de que não poderia ser a presidente investigada neste mandato por fatos anteriores, peca, com a devida vênia, por duas razões. O que o dispositivo estabelece é que o presidente da República não pode ser responsabilizado por atos estranhos ao exercício de suas funções. Portanto, o primeiro aspecto é que a presidente não pode ser responsabilizada, mas pode ser investigada para que se verifique se os atos que praticou foram ou não estranhos às suas funções. O segundo aspecto é que pode ser investigada para outras finalidades de responsabilização judicial que não o impeachment.

Por outro lado, o julgamento de eventual impeachment tem nos elementos jurídicos seu alicerce, mas será eminentemente político. Neste caso, deveriam ser examinados os seguintes aspectos: ingovernabilidade (ninguém mais confia na capacidade da presidente em conduzir o país, com 71% de rejeição e 8% de aprovação); economia em frangalhos (PIB negativo); alta inflação (deve superar 10% este ano); desemprego avassalador; ajuste fiscal sobre empresas, empregados e estudantes (aumento de tributos, cortes de direitos e do Fies); aumento de despesas públicas de custeio, num quadro recessivo; e Operação Lava Jato.

Por muito menos, Collor sofreu o impeachment.

Ives Gandra da Silva Martins é professor emérito da Universidade Mackenzie, da Unip e da Escola da Magistratura do Tribunal Regional Federal – 1ª Região.
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.