Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Opinião
  3. Artigos
  4. Benefícios aos passageiros justificam requalificação dos cobradores

artigo

Benefícios aos passageiros justificam requalificação dos cobradores

Curitiba quer voltar a ser referência em transporte coletivo e, para isso, precisa renovar a prestação do serviço

  • Mauricio Gulin
 | Aniele Nascimento/Gazeta do Povo
Aniele Nascimento/Gazeta do Povo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

A Convenção Coletiva de Trabalho 2018/2019, assinada em conjunto pelo Setransp e Sindimoc, prevê a modernização do sistema de bilhetagem do transporte coletivo de Curitiba. Essa nova realidade implicará, como ocorre em todo avanço tecnológico, em alteração na estrutura organizacional das empresas de ônibus, com a criação de novos postos de trabalho e a diminuição gradual de outros – no caso, dos cobradores, cujos serviços, pagos por todos os passageiros, não são necessários para a maioria (63% já usam o cartão transporte). A mudança só se justifica, porém, se trouxer benefícios também aos passageiros, e é exatamente isso o que vai acontecer.

Antes de apontar os ganhos para os usuários, é importante colocar com clareza e transparência as informações sobre o que se está discutindo, pois, em momentos como esse, o que não falta é oportunismo e manipulação dos dados pela categoria afetada.

Em primeiro lugar, não serão demitidos 6 mil cobradores, até porque Curitiba só conta com 3,4 mil. Destes, serão atingidos somente os cobradores embarcados, ou seja, aqueles que trabalham no interior dos ônibus: cerca de 2 mil profissionais. E eles não serão demitidos, mas sim requalificados para outras funções, com chance de ganhar mais e melhorar de vida.

Eventual economia com a nova bilhetagem não se transformará em lucro para os empresários

Depois, não há nenhuma hipótese de demissão em massa, ainda mais antes do Natal. A Convenção Coletiva de Trabalho estabelece três condições para a modernização da bilhetagem: 1. matrícula e custeio dos cobradores em um dos cursos de formação profissional do Senat, à escolha do empregado; 2. aproveitamento, sempre que possível, da mão de obra dos cobradores em outras atividades existentes nas empresas empregadoras; 3. garantia no emprego pelo prazo de 12 meses. Portanto, qualquer desligamento sem justa causa só poderá ser feito a partir de maio de 2019.

Outro ponto de destaque é que eventual economia com a nova bilhetagem não se transformará em lucro para os empresários, ao contrário do que supõem alguns desinformados ou mal-intencionados. A gestão dos recursos fica e ficará com o Fundo de Urbanização de Curitiba (FUC) e servirá, em linha com outras medidas adotadas em conjunto com a Urbs, para diminuir os custos do sistema e dar condições à redução da tarifa aos passageiros. O transporte coletivo como negócio sobrevive ao promover acesso universal por meio da modicidade tarifária. Não se sustenta com passagem elevada aos usuários, ainda mais em um cenário de alto desemprego e de forte – e até desleal – concorrência com aplicativos de transporte. Por isso, é primordial que Setransp e Urbs trabalhem visando ao menor custo. Além disso, cabe lembrar que os sistemas mais eficientes e modernos do mundo não têm na tarifa sua única fonte de custeio. A maioria conta com subsídios para operar.

Leia também: A qualidade do transporte depende da modernização do sistema (artigo de Ogeny Pedro Maia Neto, publicado em 26 de novembro de 2018)

Leia também: Desemprego no transporte coletivo (artigo de Lafaiete Neves, publicado em 26 de novembro de 2018)

Exposto o que se discute, é hora de falar sobre os benefícios da modernização da bilhetagem e do pagamento da tarifa apenas com o cartão transporte. O primeiro e mais importante é o aumento da segurança no interior dos ônibus. Quanto menos dinheiro em circulação, menor é a atratividade para roubos. Campo Grande (MS) praticamente zerou os assaltos dentro dos ônibus com o pagamento exclusivo com cartão. Em São Paulo (SP), os roubos a ônibus caíram 94% após a implantação do Bilhete Único.

Além disso, o sistema ganha confiabilidade. As bilhetagens mais modernas já dispõem de biometria facial. Isso impede, por exemplo, que pessoas que não têm direito à gratuidade usem o cartão de quem de fato tem direito. O combate eficiente às fraudes tende a melhorar a receita do sistema e, com isso, abrir a possibilidade para a redução da tarifa ao passageiro.

Por fim, o pagamento com cartão transporte torna mais rápido o embarque, pois basta aproximar o cartão do validador e passar a catraca. Com dinheiro, o embarque demora por causa do troco.

Se Curitiba quer voltar a ser referência em transporte coletivo, precisa modernizar seu sistema. A frota está sendo renovada. Está na hora de renovar também a prestação do serviço.

Mauricio Gulin é presidente do Sindicato das Empresas de Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana (Setransp).

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE