i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
artigo

De Curitiba, um brado pela liberdade

Há 40 anos Curitiba converteu-se na capital da advocacia brasileira

  • PorJosé Augusto Araújo de Noronha
  • 16/05/2018 00:01
 | OAB/Paraná
| Foto: OAB/Paraná

Há 40 anos Curitiba converteu-se na capital da advocacia brasileira. No Grande Auditório do Teatro Guaíra, advogados e advogadas reuniram-se para VII Conferência Nacional da Ordem dos Advogados do Brasil e começaram a reconstruir um futuro diferente para o nosso país. Os debates e os clamores daqueles seis dias de maio foram tão importantes que fazemos questão de relembrá-los, mantendo viva a chama que moveu os que lutaram por um país democrático, livre do arbítrio e em busca do progresso.

Pelas palavras antológicas de Eduardo Rocha Virmond, presidente da OAB Paraná, e Raymundo Faoro, presidente nacional da Ordem, é que se manifestaram as aspirações da nação brasileira. Eram tempos de pouca liberdade, ainda mais para os advogados que ansiavam pelo fim do AI-5 e pela volta do Estado de Direito – do Estado Democrático de Direito. Sonhava-se com direitos que hoje parecem tão básicos: como o de votar e ser votado; de ir e vir; de nos expressarmos. Sonhava-se com a liberdade de escolhas profissionais, ideológicas, culturais e tantas outras.

As novas gerações precisam saber do elevado grau de coragem e senso republicano manifestados na VII Conferência

As novas gerações precisam saber do elevado grau de coragem e senso republicano manifestados na VII Conferência. Nela se plantou a semente do fim e do começo. O fim do AI-5 e do período de ausência de liberdades. E o começo do restabelecimento da chama democrática. Evoluímos em muitas coisas, mas podemos ver que alguns pontos não evoluímos nada. Como disse Eduardo Rocha Virmond em 1978: “O Brasil só poderá se tornar realmente democrático se houver um Estado de Direito de conteúdo, que ao lado do império da lei e do respeito aos direitos humanos, contenha também a participação volumosa e consistente das classes sociais para traçar o poder legítimo que se quer”. Quanta atualidade há nisto! Há 40 anos, Virmond falava de algo que nos cabe perfeitamente hoje. Precisamos reavivar tais lições para 1,2 milhão de advogados em atividade no Brasil. Nós, sem dúvida, o faremos no Paraná!

Hoje vivemos a liberdade. Temos, contudo, outros desafios. E nestes tempos difíceis a advocacia precisa reafirmar seu compromisso de trabalhar também pela sociedade. A advocacia não pode ficar calada sobre nenhum tipo de ilegalidade. Deve, em vez disso, encontrar e propor caminhos democráticos para sairmos da encruzilhada em que nos encontramos. Ao tempo em que saudamos todos aqueles que fizeram parte da história democrática do nossos país ao participar da VII Conferência, ainda que anonimamente, assumimos também dois compromissos para honrar sua bravura: primeiro o de manter viva a memória de maio de 1978; segundo, o de lutar para que o Estado de Direito se aperfeiçoe sempre e se liberte da corrupção que o corrói.

Leia também: Os casos de impossibilidade de investigação do Presidente da República (artigo de Patrícia Custódio, publicado em 5 de maio de 2018)

Opinião da Gazeta: O sentido do foro privilegiado (editorial de 29 de abril de 2018)

É nosso papel exaltar o valor da liberdade para aqueles que hoje vivem nesta época de informação volátil – do WhatsApp, do Facebook, do Instagram – e de julgamentos apressados. Temos visto, muitas vezes, que uma imagem serve como promotor e juiz, sem nenhuma piedade. Neste mundo líquido, como definiu Zygmunt Bauman, vemos com tristeza manifestações de pessoas descrentes com a solução que a democracia pode proporcionar. Chegam mesmo a dizer que poderíamos reviver os tempos soturnos que custamos a superar.

A advocacia lembrará sempre que aquele tempo não pode mais voltar. Buscaremos soluções sem abrir mão dos direitos. Aliás, as buscaremos justamente pelo exercício desses direitos tão duramente conquistados. Combateremos a corrupção e afastaremos aqueles que em vez de servir preferem servir-se do Estado, hoje gigantesco e ineficiente. A consciência dos advogados, baseada no primado da Justiça, assumiu o protagonismo em 1978 e, passadas quatro décadas, temos o dever de honrar esse legado.

É na democracia que acharemos a solução para nossos problemas. Como temos sempre repetido no sistema OAB: para os males da democracia, mais democracia!

José Augusto Araújo de Noronha é presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Seção Paraná (OAB-PR).
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.