i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Artigo

Future-se: proposta inovadora ou mais uma nuvem de fumaça?

  • PorCesar Silva
  • 30/07/2019 18:00
Future-se: proposta inovadora ou mais uma nuvem de fumaça?
| Foto: Marcos Tavares/Thapcom

Quando a ideia é fantástica, o modelo é adequado, mas a forma apresentada é quase sem pé nem cabeça, fica difícil obter o apoio popular. Este é o caso do Future-se, criado pelo Ministério da Educação para mudar a autonomia financeira das universidades e institutos federais, e que envolve a alteração de trechos de 17 leis atualmente em vigor.

As audiências públicas anunciadas mostram que a ação será de médio prazo e visa mascarar o contingenciamento das verbas para a educação, a falta de políticas para implantar o novo ensino médio e, mais ainda, de assegurar a nova Base Curricular Nacional da Educação Fundamental. A proposta do governo faz sentido, mas foi apresentada de maneira abrupta, sem fundamentação.

A ideia de se construir uma igreja começando pelo sino comumente encontra oposições que destroem o projeto antes mesmo de ele ser desenhado. Por isso, o Future-se pode se transformar em uma “nuvem de fumaça”, a exemplo da reforma da Previdência, que equaciona as contas em dez anos, mas não diz o que vai acontecer com dezenas de milhões de desempregados durante a próxima década.

Ao menos, está claro que a presença de um gestor com formação em Economia e experiência em mercado financeiro trará ao MEC uma proposta de eficiência econômica e de valorização de projetos acadêmicos voltados ao setor produtivo, seja ele qual for. Em sua essência, a proposta traz algumas questões que fazem sentido. A relação entre saber científico e eficiência de produção deveria ser íntima desde sempre, e qualquer ação pública na direção da aproximação deve ser valorizada e aplaudida.

Educação é bem social e precisa de políticas públicas claras

As universidades, centros universitários e faculdades deveriam desenvolver conhecimentos, construir projetos e realizar ações que fortalecessem os segmentos produtivos. Afinal, para que aprender derivadas e integrais se não for para identificar equações com múltiplas variáveis que ajudem a criar um sistema de financiamento de baixo custo para o cidadão? Para que estudar a estrutura das moléculas dos materiais se não for para identificar materiais sintéticos que sejam menos poluentes, até mesmo biodegradáveis?

Desta forma, com o Future-se, o MEC propõe um tema encantador que aproxima conhecimento do fazer. No entanto, sua proposta desenvolverá, por meses ou por anos, audiências de discussão do tema; trará uma série de estruturas legais a serem alteradas para o Legislativo – que já está com pautas saturadas, como a Previdência, a segurança, a reforma tributária, e agora terá mais um tema relevante; mas não diz o que vai acontecer na educação básica em 2020, nem como será a retomada de crescimento de ingresso na educação superior, e nem como serão feitas as implantações das reformas estruturais já estabelecidas.

Destacar recursos vindos de venda de imóveis públicos como indutor de criação de um fundo de investimentos é algo extremamente positivo, mas se torna vazio se não existe uma proposta de linha pública de valorização de projetos já existentes e de linhas de financiamento mais interessantes para propostas de longo prazo para o governo.

A gestão atual do MEC, a exemplo dos últimos ministros, deixou esquecido o Plano Nacional de Educação, com metas e planos de atendimentos, promulgado em 2014. Recentemente, o ministério apenas acrescentou ao PNE a implantação da Base Nacional Comum Curricular da Educação Básica, publicada em 2018 e que traz dificuldades para os municípios – as políticas para sua implantação não existem –, e fez a reforma do ensino médio, promulgada em 2017.

Se o foco a ser dado era a educação básica, nos ciclos fundamental e médio, mesmo sendo essa etapa responsabilidade dos municípios e estados, é parte da ação do governo federal na pasta de educação contribuir para a implantação de reformas com visão de ganhos e melhorias nacionais. Mais uma vez, vemos que educação é um tema de Estado e não de governo e, assim, as bases e premissas essenciais ficam esquecidas, até porque a gestão atual não se vê hábil para propô-las, trazendo uma nova proposta de inovação dissociada das necessidades principais.

O que se faz pelas beiradas é comer mingau quente; gerir uma pasta de tanta importância nacional exige conhecimento e vontade para mergulhar no local mais fundo e quente do prato, onde estão os problemas principais. O Future-se será mais uma proposta inócua, como o homeschooling. Ao menos, sem discussão de gênero.

Em vez de devaneios sem fundamentação científica, como o ensino domiciliar e a suposta “balbúrdia” nas faculdades, o MEC deveria prestar atenção ao quadro desalentador mostrado pelos números cadentes de inscritos no Enem, que denota a frustração dos alunos que terminam o ensino médio com as perspectivas de prosseguir estudos, ingressando no ensino superior. Desde 2017, a redução acumulada de inscritos é de 46,2%, caindo de 8,6 milhões em 2016 para 5,1 milhões em 2019.

Outro dado alarmante do setor está na faixa da educação mais básica, etapa anterior à formação dos futuros profissionais para o mercado de trabalho do país. Hoje o número de brasileiros matriculados no ensino fundamental e médio – 48,6 milhões e 7,9 milhões, respectivamente – representa apenas 25% da população brasileira. Desenvolver um sistema de ensino sem ter como elemento principal o aluno e as suas características é elaborar um projeto fadado ao insucesso da evasão, da falta de motivação e do desinteresse.

Educação é bem social e precisa de políticas públicas claras. Se as mensagens forem de ainda mais desordem entre os poderes, sem uma linha indicativa de planos de estímulo à educação, os resultados podem ser mais catastróficos que os já estimados.

Cesar Silva é presidente da Fundação FAT (Fundação de Apoio à Tecnologia).

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.