i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Abuso de poder religioso

Ideia de Fachin é preconceituosa e quer impedir eleição de religiosos

    • Filipe Barros*
    • 12/08/2020 17:27
    O ministro do STF, Edson Fachin.
    O ministro do STF, Edson Fachin.| Foto:

    Nos longos anos de governo petista no Brasil, lamentavelmente, não foram poucos os políticos e candidatos evangélicos que se aliaram à turma de Lula e Dilma. Durante todo aquele período, não houve nenhuma manifestação relevante por parte do Supremo Tribunal Federal (STF) ou do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) a respeito da influência que líderes religiosos teriam sobre seus fiéis. Esse é o fato mais revelador a se ter em mente na análise do repentino desejo expressado pelo ministro Edson Fachin de que seja criado um ilícito chamado “abuso de poder religioso”.

    É óbvio que o motivo real para que, agora, o tema tenha despertado a comoção dos senhores ministros é o alinhamento da maioria esmagadora dos evangélicos em torno do apoio ao presidente Jair Bolsonaro, que formou o primeiro governo conservador de verdade no Brasil desde a redemocratização. Quando se conhece de perto o mundo jurídico brasileiro, é fácil supor o quanto esse fenômeno incomoda muitos de seus expoentes, graças à bolha progressista na qual vivem. Claro que se trata de mero preconceito contra religiosos, em seu estado mais cru e horrendo, e por isso não pode ser admitido publicamente. A feiura dessa verdade exige um disfarce socialmente palatável. É aí que entra a suposta preocupação com a democracia, justificativa vaga o bastante para servir como pretexto para quase tudo.

    O ódio dessa gente pelo cristianismo é grande, mas, enquanto alguns políticos cristãos foram úteis para um governo que lhes agradava, líderes evangélicos eram vistos como inofensivos. Agora, no entanto, isso mudou a tal ponto que, aparentemente, nem se importam em ignorar as obscenas contradições nas quais caem ao sugerir que a discriminação contra a liderança religiosa seja institucionalizada.

    Comecemos pela Constituição Federal que, em seu artigo 5°, explicita: “ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política”. Mais adiante, no artigo 19, o mesmo documento, ao tratar de “cultos religiosos ou igrejas”, proíbe o Poder Público de criar “distinções entre brasileiros ou preferências entre si”.

    A fabricação desse novo ilícito, feito sob medida para impedir pastores e pregadores de falarem sobre política, choca-se frontalmente com esses trechos da Carta Magna. A motivação preconceituosa dessa investida fica ainda mais clara quando se nota que a liderança religiosa seria a única punida. Afinal, é improvável que o ministro Fachin dedique a mesma atenção aos abusos de sindicalistas no direcionamento do voto dos sindicalizados ou à doutrinação política promovida por professores militantes sobre seus alunos. Poderíamos citar também as famosas escolinhas do MST, grupo com o qual Fachin tem história. Nelas, a aplicação da chamada “pedagogia socialista” é assumida, a figura de Che Guevara é quase objeto de devoção e ensina-se que propriedade privada é um mal a ser extirpado.

    Na mente do ministro, no entanto, nada disso parece afetar a decisão sobre em quem votar. Nesses contextos, tudo não passa de livre manifestação do pensamento, algo perfeitamente legítimo. Agora, frequentar cultos religiosos nos quais aprende-se a admirar quem tem os mesmos valores morais, comunga da mesma fé cristã e anuncia disposição para defendê-la no debate público? Aí já é demais, é extremismo, e quem promove esse tipo de encontro comete abuso.

    Com o exposto acima, destaque-se, quis enfatizar o tamanho da contradição presente na hipotética figura do “abuso de poder religioso”, mas é evidente que há outro problema, anterior, que retorna ao debate com lamentável insistência: o ativismo judicial. Fachin não sugeriu ao Congresso que criasse tal dispositivo; ele disse que o TSE devia adotar o conceito. De novo, portanto, temos um ministro do STF querendo fabricar lei e usurpar competência do Poder Legislativo, só que, dessa vez, com o abjeto propósito de discriminar e de impedir a eleição de líderes religiosos.

    * Filipe Barros é deputado federal.

    2 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 2 ]

    Máximo 700 caracteres [0]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

    • R

      Ronald Facury Wigg

      ± 0 minutos

      Como não quero que o meu suma também: Em nome da proteção a democracia está na hora de trocar 10 Ministros do STF, e colocar Juízes de carreira e 5 escolhidos pelo Presidente e 5 Pelo poder Legislativo; Marco Aurelio pode ser mantido pois respeita a Constituição.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • Máximo 700 caracteres [0]

    • J

      julio meirelles

      ± 25 dias

      O comentário sumiu !!!

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • Máximo 700 caracteres [0]

    Fim dos comentários.