i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Opinião do dia 2

Justiça para genocidas

  • PorJorge Fontoura
  • 22/09/2008 21:01

Rara convicção entre as precárias certezas da política externa, o princípio da igualdade das nações tem impedido que Estados possam julgar-se uns aos outros. Com isso, macrocriminosos de guerra têm se eximido de punições, protegidos por governos e asseclas. A recente criação e vitalização de tribunais internacionais penais têm trazido boas novas à questão tão melindrosa quanto grave, a envolver as mais altas instâncias de poder.

Para implementar-se a idéia de justiça internacional que previna impunidade acobertada pela geografia e pelo compadrio é necessário que Estados aceitem alguma limitação de suas soberanias, ou autolimitação, para utilizar clássico eufemismo diplomático. Isso se dá pela adesão a compromissos jurídicos internacionais, como é o caso do Tratado de Roma que criou o Tribunal Internacional Penal. Tem-se ainda a forma que dispensa tratados, quando o Conselho de Segurança das Nações Unidas institui tribunais de forma direta e para guerras específicas, como é o caso de Ruanda e da ex-Iugoslávia.

É fundamental que nas culturas nacionais se conceba um tribunal internacional não como corte estrangeira a ingerir em assuntos internos de nações soberanas. O que se tem em verdade é o prolongamento do poder estatal, com a corte internacional a funcionar como longa manus das justiças nacionais. Até porque tais tribunais possuem natureza consensual e complementar. Vale dizer, só atuam com a aceitação prévia dos Estados signatários e, ainda mais, apenas na ocorrência de paralisia das justiças locais, quando o Estado que deveria julgar deixou de fazê-lo. A falsa idéia de ser a justiça internacional instância acima do poder do velho Estado nacional, bem ao sabor das viúvas ideológicas, enfraquece o real sentido de efetiva e desejável construção de uma ordem pública universal.

Já em tempos de valorização internacional dos direitos humanos, a guerra da Bósnia, entre 1992 e 1995, fez mais de duzentos mil mortos e marcou página trágica nos Bálcãs, em pleno quintal da Europa. Como nas guerras mais primitivas, verificaram-se massacres de população civil e violências insidiosas, perpetradas como políticas de Estado. Agora, com a entrega do líder servo-bósnio Radovan Karadizic pelo seu próprio governo, assiste-se a importante momento de afirmação da justiça global. É certo que o tilintar de fundos comunitários soou forte às autoridades de Belgrado, aspirantes confessas à União Européia. Porém, o resultado é formidável, a permitir o julgamento e a punição exemplar de Karadizik, acusado de barbáries inenarráveis como responsável pela morte de milhares de inocentes civis, dentre os quais mulheres, anciãos e crianças.

A justiça internacional assegura a todos os réus amplo direito de defesa, além das demais garantias do devido processo legal e do Estado Democrático de Direito. O mais procurado genocida do mundo, desaparecido há treze anos, poderá agora exercer sua defesa em Haia, Holanda, onde funciona a corte internacional para a ex-Iugoslávia. Também é de se considerar que o deslocamento geográfico do julgamento para fora dos Bálcãs permitirá maior isenção e tranqüilidade na aplicação da justiça.

A banalização da violência a que temos assistido no Brasil, e no Rio de Janeiro em particular, a par de nosso distanciamento de questões de natureza mundial, faz com que crimes de guerra e genocidas foragidos pareçam coisas de outro mundo a não dizer-nos respeito. Porém, é de relevância para a sociedade brasileira a construção de consciência acerca do importante papel desempenhado pela justiça internacional penal. Ao impedir a impunidade, ela atua de forma pedagógica, com os olhos voltados ao futuro, a partir das lições trágicas do passado. A história nos ensina que o ovo da serpente, que não escolhe lugar para aninhar-se, encontra guarida ideal na leniência e no descaso dos povos acomodados.

Jorge Fontoura, doutor em Direito, é professor-titular do Instituto Rio Branco, Itamaraty e presidente do Centro de Estudos de Direito Internacional – Cedi/DF

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

    Fim dos comentários.