i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
artigo

Na rua pelos direitos sociais

  • PorRegina Cruz
  • 20/08/2015 00:01

Estabelecer um paralelo do atual cenário político brasileiro com episódios marcantes da nossa história não é uma tarefa das mais complicadas. De Getúlio a Jango, setores conservadores da sociedade se colocaram contra a trajetória do processo democrático para desestabilizar governos com pautas progressistas.

Evitar que um novo episódio desses aconteça é apenas um dos motivos que levam os movimentos sociais para as ruas de todo o Brasil nesta quinta-feira, dia 20. Vamos defender os interesses dos trabalhadores e trabalhadoras. Contudo, é preciso deixar claro que defender a democracia não significa se furtar de fazer críticas ao governo federal, como no caso da política econômica equivocada ou de projetos que tramitam no Congresso Nacional e que lesam os direitos dos trabalhadores.

De Getúlio a Jango, setores conservadores da sociedade se colocaram contra a trajetória do processo democrático

Um exemplo é o PL 4.330/2004, votado na Câmara e que tramita no Senado como PLC 30/2015. Se aprovado e sancionado, transformará o Brasil em um grande mar de terceirizados, rasgando de vez a CLT. Menos direitos, salários menores, jornada de trabalho ampliada e mais riscos de acidentes, inclusive os que envolvem morte. Esse é o cenário apontado pela análise de órgãos de pesquisa como o Dieese.

No Paraná, ainda teremos uma bandeira extra: a defesa dos empregos do HSBC. Após adquirir o banco Bamerindus por alguns tostões, a instituição financeira lucrou durante anos no Brasil e agora, alvo de denúncias de lavagem de dinheiro, espionagem e métodos de gestão agressivos aos seus funcionários, fecha as portas e simplesmente vira as costas para 22 mil trabalhadores e suas famílias.

Ainda nessa perspectiva combatemos o arrocho proposto pelo ministro Joaquim Levy. As medidas provisórias 664 e 665, o aumento dos juros via taxa Selic e outras iniciativas do chamado ajuste fiscal são apontadas como solução quando na verdade apenas agravam ainda mais a crise. Não podemos admitir políticas que penalizem os mais pobres sem mexer com o andar de cima. Onde foram parar a taxação das grandes fortunas e os impostos sobre artigos de luxo?

Também vamos às ruas em defesa da Petrobras. Um dos principais polos de investimento, pesquisas e recursos financeiros para o Brasil está sendo alvo de ataques que chegam à própria direção da estatal. Queremos que todas as irregularidades sejam investigadas e punidas no rigor da lei, mas não permitiremos que esse processo prejudique a maior empresa pública do país.

A proposta do senador José Serra (PSDB-SP) de acabar com a exclusividade da empresa para exploração do pré-sal é outro acinte. Neste caso, como ficariam os recursos dos royalties já previamente destinados à educação pública? Não abriremos mão desse direito e nem permitiremos que empresas estrangeiras se apoderem da Petrobras.

A ofensiva, portanto, não começa e nem termina mirando o mandato da presidente Dilma Rousseff. O objetivo é travar a pauta de avanços e direitos sociais. Por isso, defender o atual mandato da presidente nada mais é do que um voto extra para a democracia. Fazer valer o direito das urnas conquistado com muito suor, sangue e até mesmo vidas. Neste momento é preciso fortalecer as instituições democráticas e não destruí-las.

Por fim, o combate à corrupção sempre foi uma bandeira da esquerda brasileira e mundial, e defendemos a apuração em qualquer caso de corrupção de todos os atores envolvidos.

Queremos continuar transformando este país. É por isso que, em defesa da democracia, dos avanços e dos direitos sociais, estaremos nas ruas em todo o país neste dia 20 de agosto.

Regina Cruz é presidente da CUT Paraná.
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.