i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Artigo

O Brasil precisa olhar o mercado real para sair da crise do coronavírus

  • PorLeandro Batista de Oliveira
  • 08/05/2020 15:17
Previdência complementar para estados e municípios com regimes próprios tem prazo para implementação
| Foto: Pixabay

Antes da crise econômica provocada pelo coronavírus, a maior preocupação dos brasileiros era com os ajustes e a política econômica que colocariam o país no rumo da expansão do mercado. Mas, de repente, tudo mudou nos últimos meses, colocando em xeque planos e objetivos estipulados para o ano. Agora, o mundo inteiro se vê diante do maior tombo financeiro desde a Grande Depressão, em 1929, o qual é bem provável que ficará conhecido na história como a “crise do coronavírus”.

Ocorre que o mundo mudou de lá para cá, e nenhuma economia está parada. O Reino Unido, por exemplo, vai pagar 80% dos salários de todos os trabalhadores para evitar demissões. Na Alemanha, o pacote econômico atingirá 30% do seu PIB; nos Estados Unidos, o valor do pacote vai ser maior que todo o PIB do Brasil, somando US$ 2 trilhões.

No Brasil, as medidas adotadas até aqui parecem insuficientes e ineficazes para dar conta do recado, a exemplo do auxílio “coronavoucher”, de R$ 600, que não atinge os que dele precisam e nem chega na velocidade ideal.

O que vemos são empresas com dificuldade de acessar o crédito, algumas por não ter uma contabilidade eficiente, outras por burocracia e despreparo do mercado financeiro para viver em ambiente de guerra. E as medidas de proteção do emprego mudam a todo momento com a publicação de portarias, prejudicando sua utilização efetiva, gerando insegurança jurídica e ansiedade em toda sociedade.

Entendo que está na hora de o Brasil levar realmente a crise a sério, do ponto de vista sanitário e econômico, e utilizar todas as ferramentas disponíveis de forma eficiente e estruturada. Na perspectiva econômica, temos as políticas monetárias, há tempo negligenciadas por causa do combate à inflação. É claro que ninguém quer a volta da inflação, mas, com queda no consumo de 20% neste ano, é loucura pensar que a inflação irá voltar tão cedo. Além disso, a taxa de juros, que já está no menor patamar das últimas décadas, não será suficiente para qualquer reação ou retomada da economia.

Temos um cenário de incertezas. E, geralmente, o que as pessoas fazem nesse momento? Freiam o consumo. As empresas, por sua vez, ou demitem preventivamente para guardar caixa ou ainda fecham as suas portas. Isso tratado de forma isolada é um problema, mas imagine todos os agentes econômicos tendo essa postura ao mesmo tempo?

Então, é preciso ampliar o dinheiro disponível, para que ele chegue a quem precisa e, mais do que isso, para que esse dinheiro retorne à economia pelo seu multiplicador. E como se faz isso? Lógico, “imprimindo dinheiro” – em outras palavras, permitindo que o dinheiro circule.

Esse “imprimir” é recompor a base monetária. Não significa ligar a impressora e fazer a cédula de papel, até porque, em tempos de cartão de crédito e conta digital, o papel-moeda não vale nada nessa guerra econômica.

O Tesouro e o Banco Central devem fazer essa recomposição monetária pelos instrumentos de dívida e recompra de títulos públicos. E, para fazer isso, as políticas devem atingir realmente o mercado real, e não financeiro. Entre as medidas que precisam ser tomadas temos: ampliação do diferimento dos impostos nas empresas, Tesouro atuando mais diretamente para conceder empréstimos diretos para as pequenas e médias empresas. Pode-se devolver 100% do FGTS dos saldos de contas dos trabalhadores, diferir os pagamentos das prestações da casa própria e emprestar dinheiro para pessoas físicas com base no Imposto de Renda, utilizar as ferramentas disponíveis para garantir uma renda mínima aos informais e autônomos e revisar a tabela do IR.

Essas medidas elevaram a dívida pública, sem dúvida, mas utilizando a expansão monetária e o próprio mercado é possível evitar um colapso, que no caso brasileiro elevará a quantidade de vítimas para além daquelas que morrerão por causa do coronavirus.

Leandro Batista de Oliveira é contabilista e economista, especialista em finanças e projetos Six Sigma, e diretor de Operações na Capital Social Contabilidade e Gestão.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

    Fim dos comentários.