i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Artigo

O direito das crianças a uma infância livre e sadia

  • PorIsabella Henriques
  • 14/04/2014 21:02

No último dia 4 de abril, o Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda) publicou no Diário Oficial da União a Resolução 163, que esclarece serem abusivas a publicidade e a comunicação mercadológica voltadas ao público infantil, de até 12 anos de idade.

Assim, a partir dessa data, a regra passou a valer em todo o país, não só em relação aos comerciais televisivos que tentam convencer as crianças a comprar produtos e serviços, mas também em relação aos anúncios na internet e ao marketing que tem sido feito nas escolas e em outros espaços frequentados pelos pequenos, como clubes, praças e parques.

O Conanda é um conselho nacional ligado à Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República, que tem caráter deliberativo, sendo formado, em igual número, por membros representantes da sociedade civil organizada e representantes dos ministérios do Poder Executivo federal. Tem como atribuição precípua elaborar as normas gerais da política nacional de atendimento dos direitos da criança e do adolescente e fiscalizar as ações de execução. É seu dever zelar pela devida aplicação das normas de proteção às crianças e adolescentes no Brasil. E, para exercer tal dever, pode editar resoluções, as quais são atos normativos previstos no artigo 59 da Constituição Federal.

Por tudo isso, a Resolução 163 trouxe um enorme avanço no combate às práticas abusivas de marketing que tentam se aproveitar da vulnerabilidade de crianças, em prol de uma infância sadia e livre do assédio publicitário. Não se trata de uma lei, mas de um ato normativo que tem caráter vinculante e deve ser, obrigatoriamente, observado e cumprido em todo o território nacional.

A nova regra vem para complementar e esclarecer a já existente Lei 8.078/90 (o Código de Defesa do Consumidor), que, no seu artigo 37, considera ilegal a publicidade abusiva que "se aproveita da deficiência de julgamento e experiência da criança". Isso porque a resolução elenca as situações em que a publicidade e a comunicação mercadológica serão classificadas como dirigidas ao público infantil, deixando claro que em tais situações serão consideradas práticas abusivas. Em outras palavras, pode-se dizer que o efeito prático da Resolução 163 é a ilegalidade do direcionamento de publicidade e de comunicação mercadológica às crianças.

Se o mercado publicitário e anunciante estivesse ciente de sua responsabilidade, inclusive legal, teria parado, por completo, de apresentar comerciais às crianças em todos os veículos de comunicação, seja nas tevês abertas ou segmentadas infantis, seja nos sites e em outros espaços frequentados pelas crianças em todo o país. Infelizmente não foi o que aconteceu, estando quase todo o setor em flagrante desrespeito à norma existente e, o que é pior, insistindo em abusar da extrema vulnerabilidade que os pequenos têm diante de mensagens que os levam a um mundo fantástico de consumo sem que estejam prontos e preparados para receber e responder a tais estímulos por causa da peculiar fase de desenvolvimento em que estão.

Cabe agora a nós, indivíduos, mães, pais, avós, responsáveis, exigir seu cumprimento perante os órgãos competentes, como são os Procons, Ministérios Públicos, Defensorias Públicas e a Senacon do Ministério da Justiça.

Isabella Henriques, advogada, é diretora do Instituto Alana.

Dê sua opinião

Você concorda com o autor do artigo? Deixe seu comentário e participe do debate.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.