i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
artigo

O impeachment e a guerra de narrativas

  • PorFlavio Morgenstern
  • 08/12/2015 23:01

Desde pelo menos a Guerra do Vietnã, o Pentágono e os órgãos de inteligência militar americanos perceberam que não travam apenas uma guerra no campo de batalha: sempre terçam armas também na imprensa, em solo natal, a cada vez que se embarafustam em uma empreitada polêmica longe de casa.

Tal subconflito foi chamado de infowar, a guerra de narrativas do que acontece na política de um país. Desde que Locke e a Revolução Francesa formaram o conceito de “opinion publique” como o eixo de sustentação de um governo, as relações entre o que é feito num país e a forma como tais feitos são narrados se transformou, normalmente tornando-se mais obscura e até mesmo promíscua.

No cenário brasileiro atual, há mais de um ano que o povo ventila a ideia de a presidente Dilma Rousseff sofrer um impeachment – pressentimento já anterior à sua reeleição (hoje mesmo, a desculpa do PT para segurar o processo é admitir os crimes, mas afirmar que ocorreram ainda no primeiro mandato). Entretanto, a imprensa é a primeira a afirmar que o impeachment reflete tão somente os desejos maquiavélicos de Eduardo Cunha – narrativa que “pega”, fazendo com que a classe falante e a classe não investigadora (usualmente, amalgamados na mesma classe) repitam o pastiche como uma verdade revelada.

A briga no jornalismo agora é a da verdade contra o sentimentalismo momentâneo

Mesmo veículos internacionais respeitados, como as britânicas The Economist e BBC, quase repetiram a esparrela, ainda que demonstrando surpresa por ser um parlamentar investigado pela Polícia Federal a iniciar o processo de impeachment – o que pode ser explicado tanto pelo costume britânico de ter alguma ética e homens honrados no Parlamento quanto pela acídia de correspondentes internacionais contaminados pelos próprios jornais brasileiros. É a chamada “autofagia jornalística”, denunciada por Rolf Kuntz.

Ora, enquanto uma parcela imensa da população brasileira já pensava em impeachment (a reeleição de Dilma foi a mais apertada da história, numa eleição com sete viradas), Eduardo Cunha pedia votos para ela. Simplesmente 17 pedidos de impeachment foram aventados na Câmara, e Cunha aceitou apenas o último. Milhões de pessoas (muito mais do que qualquer instituto de pesquisa afirma, em mais uma demonstração de infowar) foram às ruas para pedir o afastamento da presidente, enquanto Cunha ainda era praticamente o líder do governo.

Assim se tentou costurar no imaginário coletivo brasileiro a visão de que Cunha era “o líder da oposição”, e que o povo marchava sob suas ordens, como se o rabo balançasse o cachorro. Como se alguém ainda precisasse descobrir que seu suposto líder é um ladrão – e, de quebra, salvaguardar as negociatas de Dilma que envolvem cifras entre bilhões e trilhões, tratando todos como iguais.

Notícias e mais notícias pululam nos jornais, hoje, com assuntos para desviar a atenção do principal fato do país. Opiniões do palpitariado comprado por Rouanet são tratadas como fatos. Petistas dos mais radicais são chamados pela imprensa de “especialistas” ao tentar fazer propaganda travestida de “análise”.

Isso é feito para direcionar os sentimentos da população, e não suas faculdades de raciocínio. É a infowar em marcha. As menções a Cunha no noticiário tinham caído 30% assim que ele começou a costurar um acordo com o governo.

Contudo, 66% dos brasileiros desejam o impeachment. É o que se tenta mudar a qualquer custo. A briga no jornalismo agora é a da verdade contra o sentimentalismo momentâneo. Mas, com uma imprensa que depende tanto do BNDES, a verdade pode ser enterrada sob o peso do Partido-Estado.

Flavio Morgenstern, analista político e escritor, é autor de “Por trás da máscara: do passe livre aos black blocs”.
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.