i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
artigo

O menino empreendedor

  • PorJosé Antonio C. Jardim
  • 11/03/2015 22:01

Muitos estudiosos falam e ensinam sobre a arte de empreender e ganhar dinheiro. Todavia, ser um empreendedor bem sucedido passou a ser o sonho de muitos jovens e tema nas academias. Mas a arte de empreender ultrapassa as quatro paredes de uma sala de aula e as folhas de um bom livro.

Dias atrás, surpreendeu-me ver um menino franzino, aparentando ter uns 12 anos de idade, em meio à multidão de um grande shopping paranaense. Driblando os seguranças treinados, ele sobressaía com suas vendas entre as grandes marcas de fast food, sussurrando no ouvido dos seus “clientes”: “quer comprar balinhas ou chicletes?” Ao fim do dia, ele segue rumo a sua casa com a diária garantida. Sim, esse menino não leu bons livros e, possivelmente por motivos sociais e familiares, não terá acesso à sala de aula, que é seu lugar.

As academias e os livros podem contribuir, mas um bom empreendedor tem em sua gênese a fórmula do empreender e, muito mais, a fórmula da sobrevivência

Meninos como esse têm assumido um papel importante na sociedade dos invisíveis. Até então vistos nos semáforos e nas esquinas dos grandes centros urbanos, compram, vendem e geram lucros para a demanda capitalista. O fato é que esse não é o lugar certo para eles, mas as circunstâncias os levam a faze parte desse mundo empreendedor para sua própria sobrevivência em sociedade.

Tive o privilégio de conhecer e observar as práticas de comerciante autônomo desse menino morador de periferia, em meio ao fluxo do shopping. Ele tem garantido a sobrevivência não só familiar, mas a sua própria, pois ou vive na clandestinidade comercial ou será reconhecido no mundo da criminalidade pelos seus dons de empreender.

As academias e os livros podem contribuir, mas um bom empreendedor tem em sua gênese a fórmula do empreender e, muito mais, a fórmula da sobrevivência. Nessa ótica, tudo passa a ser balela, pois o bom empreendedor é aquele pivete astuto que sobrevive à violência territorial e não se deixa levar para a criminalidade. Em meio às grandes marcas, ganha sua vida e, com certeza, em um futuro próximo será dono do seu empreendimento em sua periferia.

José Antonio C. Jardim, teólogo, ativista social, produtor cultural e palestrante na área de drogas e juventude, é coordenador estadual da Central Única das Favelas (Cufa).
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.