i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Sínteses – Reajustes e cancelamento de planos de saúde deveriam ser impedidos durante a pandemia?

O projeto da escassez e o da abundância

  • PorAlexandre Garcia de Carvalho
  • 26/05/2020 10:02
O projeto da escassez e o da abundância
| Foto: Felipe Lima

Tramita na Câmara dos Deputados, sob o número 1.117/2020, um projeto de lei de autoria de Acácio Favacho (Pros/AP) e Capitão Wagner (Pros/CE) que pretende proibir reajustes nas mensalidades de todos os planos de saúde em vigor no país, enquanto durar o estado de calamidade imposto em razão da pandemia de Covid-19, além de impedir por 90 dias que as seguradoras suspendam a cobertura desses planos por atraso nos pagamentos. Segundo o deputado Capitão Wagner, a ideia é proporcionar alívio financeiro para os segurados e evitar que, sem cobertura, eles sobrecarreguem ainda mais o sistema público de saúde. A intenção parece boa. Sabe-se, no entanto, que o inferno está mais lotado delas que o SUS de doentes.

Esse projeto procura estabelecer um controle ainda mais severo que o já existente sobre os preços dos planos. A boa teoria econômica, corroborada por 4 mil anos de história, permite prever com grande certeza qual seria o resultado da sua conversão em lei. Estabelecer um teto arbitrário para os preços deixa o negócio menos interessante para o prestador do serviço, ao mesmo tempo em que estimula o consumidor a comprar mais. Falta produto. O controle sobre os preços dos planos de saúde no Brasil é estrito, há muitos anos, e o resultado tem sido exatamente esse: escassez de planos médicos. Enrijecer ainda mais esse controle agora só agravaria o problema, justo quando mais se precisa de serviços de saúde.

A redução da oferta de planos poderia ser posta em prática com relativa rapidez pelas seguradoras. Cerca de 80% do mercado de planos de saúde no Brasil é constituído por planos coletivos, oferecidos pelas empresas aos seus funcionários, ou pelas associações a seus membros. Todos os meses, pouco menos de 10% desses contratos, que costumam ter prazo anual, vencem. As seguradoras têm pleno direito de não os renovar. Em três meses, são capazes, portanto, de cancelar silenciosamente até um quinto dos planos hoje em vigor no país, sem para isso ter de alegar qualquer motivo, e aguardar que o controle de preços vá embora. Podem, também, em pouco tempo, implantar alternativas “criativas” para escapar à limitação dos preços, como deixar de oferecer os planos mais simples (e baratos), desenvolver e passar a vender às empresas e associações somente planos “novos”, mais completos (e caros).

Como, então, baixar rapidamente os preços e aumentar a oferta de planos de saúde? A emergência em que nos encontramos justifica plenamente o “risco” de um choque de desregulamentação e abertura. O projeto legislativo de que de fato precisamos permitiria imediatamente às empresas estrangeiras oferecer seus produtos de saúde no país, sem restrições. Baixaria os impostos das seguradoras nacionais e as desobrigaria do cipoal de regulamentações que hoje a ANS impõe ao desenho e operação dos planos. Deixaria que inovem, liberaria o poder da livre concorrência. Assim, seria provável que voltássemos a ter oferta de planos de saúde individuais, hoje praticamente inexistente, o que poderia ser uma bênção para milhões de pessoas que perderam o emprego e, junto com ele, o plano médico empresarial. O “risco” desse choque incluiria, passada a pandemia, deixar para a posteridade um legado perene de eficiência e abundância para o setor privado de saúde.

Alexandre Garcia de Carvalho é administrador, pós-graduado em Economia Austríaca e Master of Business Administration pela University of Michigan.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.