i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Artigo

Planejamento e integração municipal pelo bem comum

  • PorValdemar Bernardo Jorge
  • 10/06/2019 01:00
Município de Londrina, no norte do Paraná.
Município de Londrina, no norte do Paraná.| Foto: Michel Willian/Gazeta do Povo

Não é preciso fazer muita pesquisa para saber a origem do escritor Dalton Trevisan. Seu mais famoso livro, O Vampiro de Curitiba, revela a cidade em que ele nasceu. Se perguntarem para a atriz Grazi Massafera de onde ela é, a resposta vai ser Jacarezinho. O ex-juiz e atual ministro Sergio Moro é de Maringá. O cantor Michel Teló, de Medianeira. E o governador Ratinho Junior, de Jandaia do Sul. Cada um tem um município para chamar de seu. Tem também aquela escola, aquela praça, aquela igreja, aquela rua, aqueles amigos.

Assim como os médicos costumam destacar a importância da primeira infância na vida de uma criança, é inegável o fato de que as cidades têm papel fundamental na vida das pessoas. É por isso que a Secretaria do Planejamento e Projetos Estruturantes do Paraná quer ser parceira dos municípios, atuar em conjunto na busca de ideias e soluções para seus problemas.

Os municípios são dependentes do estado e o estado é dependente da União; a ordem deveria ser inversa

Já temos feito isso, e um exemplo é o apoio que a secretaria está dando para a elaboração de projetos de aproveitamento de recursos disponibilizados pela União. Dias atrás, representantes de municípios do Litoral estiveram em Curitiba para, em conjunto com técnicos do Planejamento, trabalhar em projetos viáveis para a área de pesca. Há recursos do governo federal disponíveis para os municípios? Vamos unir esforços para que eles venham para cá.

Também estamos atentos às necessidades dos municípios enquanto preparamos o Plano Plurianual para o quadriênio de 2020 a 2023. Criamos um canal para a avaliação das propostas e o encaminhamento de sugestões. Em breve, buscaremos ainda mais proximidade com as cidades e seus habitantes na fase de audiências públicas.

Infelizmente, temos acompanhado notícias sobre crises econômicas enfrentadas pelos municípios brasileiros, o que leva também a dificuldades para honrar compromissos com a Lei de Responsabilidade Fiscal e até para o pagamento de servidores. Sem cumprir a lei, o problema se agrava com punições como o não recebimento de transferências voluntárias e de garantias para operações de crédito, entre outras, como rejeição das contas por órgãos de fiscalização. Sem recursos, as prefeituras também não conseguem tocar obras e gerar empregos, e veem crescer a demanda por atendimentos básicos na área social.

Leia também: A segurança pública e as prioridades do governo do Paraná (artigo de Washington Alves da Rosa, publicado em 6 de junho de 2019)

Leia também: Boas-vindas ao novo programa de privatizações e parcerias do Paraná (artigo de Fernando Vernalha, publicado em 6 de fevereiro de 2019)

Talvez seja a hora de uma mudança de cultura. De olhar para o lado, de municipalizar as ações. De pensar na qualidade de vida da população lá na base. O que fazer em relação aos municípios que estão com surto de dengue, por exemplo? Em que cidade há maior número de desempregados, para que sejam planejadas ações para gerar emprego?

Reforçar as potencialidades também deve estar no foco. O que é preciso fazer para que Curitiba continue sendo a “capital ecológica”? E para criar outros centros de produção que gerem fama, como a de Telêmaco Borba, a “capital do papel”; a de Toledo, a “cidade do porco no rolete”; ou de Apucarana e Cianorte, respectivamente “capital do boné” e “capital do vestuário”?

O planejamento municipalista, focado no ser humano, é o caminho. Hoje, os municípios são dependentes do estado e o estado é dependente da União. A ordem deveria ser inversa. A mudança pode começar por nós.

Valdemar Bernardo Jorge é secretário de Planejamento e Projetos Estruturantes do governo do Paraná.

1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 1 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • T

    Thiago

    ± 0 minutos

    Essa conversinha de municipalista é mais um engodo da turma dos progressistas... O grande problema é que grande parte do dinheiro repassado aos munícipios acaba desaparecendo... Não adianta nada aumentar repasse aos municípios enquanto a rapinagem correr solta em grande parte deles(com raras exceções,é claro...).

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.