i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Artigo

Por uma antropologia da máscara

  • PorDimitri Martins
  • 27/07/2020 15:08
Por uma antropologia da máscara
| Foto: Marcos Tavares/Thapcom

Alguns meses atrás, bem antes do coronavírus, em uma reunião, eu me surpreendi vendo uma pessoa usando máscara cirúrgica. Depois eu descobri que essa pessoa estava resfriada e estava usando a máscara para proteger os demais de uma contaminação. Na verdade eu me perguntei a mim mesmo em pensamento: “será que ela está doente? O que será que ela tem?”. Hoje me surpreendo, ao relembrar aquele momento no qual a primeira imagem que me veio à cabeça ao deparar-me com uma pessoa portando máscara fora do ambiente hospitalar - uma mulher, diga-se de passagem - foi a imagem de fragilidade, de fraqueza. Alguns dias depois descobri que não se tratava de um gesto de fraqueza, mas sim de um gesto de gentileza, de etiqueta, de respeito e de cuidado para com o próximo.

Hoje, após chegarmos a quase 20 milhões de infectados e a quase 1 milhão de mortos no mundo em apenas seis meses, eu fico me perguntando o porquê de muitas pessoas ainda se recusarem a usar a máscara para se proteger do novo coronavírus, ou usá-la de forma incorreta, em meio à pandemia de um vírus mortal que já matou em apenas 4 meses, quase 100 mil pessoas somente no Brasil. Ao contrário do resfriado comum (0,02%) e da gripe sazonal (0,1%), a mortalidade da Covid-19 é significativamente muito mais alta: no Brasil é estimada em cerca de 1% (considerando também os casos assintomáticos). Como o vírus é altamente contagioso, deixando-o circular livremente, tem potencial para causar um estrago enorme: a projeção da Universidade de Washington é de que o Brasil terá aproximadamente 197 mil mortos em 1.º de novembro deste ano.

Um fato interessante e intrigante e que abre para possibilidade de pesquisas de ordem antropológica é o fato de que a maioria das pessoas que se recusam a usar as máscaras ou as usa de forma incorreta são homens, em grande parte conservadores e que a principal razão é a associação entre a máscara e a fraqueza, como se a máscara lhes impusesse uma imagem de vulnerabilidade. Vale a pena fazer uma investigação de cunho qualitativo com estas pessoas, por meio de entrevistas. A primeira das perguntas seria se as pessoas sabem utilizar as máscaras. Em caso afirmativo, pedir para que tentem colocar as máscaras, para verificar se de fato sabem utilizar ou apenas acham que sabem. Caso não saibam, é interessante perguntar por quê: se não se interessam em aprender, se acham que as máscaras são inúteis, ou ainda se preferem correr o risco de se contaminar por achar que o vírus é mais fraco do que a mídia divulga, ou se não querem simplesmente aparentar uma imagem de vulnerabilidade.

Além destas questões antropológicas, existem questões de ordem política que se faz necessário ressaltar, dado que em países como Brasil e Estados Unidos o uso das máscaras está sendo politizado e polarizado, com efeitos não apenas no combate ao coronavírus, mas na retomada da economia, pois se calcula que as máscaras evitam até 40% das contaminações e vemos também pelo exemplo da Suécia que o que prejudica mesmo a economia é o patógeno, e não as medidas restritivas de mitigação, como o fechamento das escolas ou de algumas atividades nas quais o risco de contaminação é altíssimo, como bares, restaurantes, teatros, cinemas e eventos. O uso universal das máscaras é algo que pode ao mesmo tempo combater a disseminação do coronavírus e ajudar a retomada econômica, na medida em que permite com grande grau de segurança a reabertura da maioria das atividades econômicas. “Usar a máscara” não é “de esquerda” e “não usar” não é “de direita”. Isto não faz o menor sentido, é uma redução brutal do significado original destes termos.

Também existe um discurso que alega o “liberalismo” como a justificativa para o não-uso das máscaras. Esse é o tipo de liberalismo que eu chamo de predatismo. Isso nunca foi liberalismo. Isso é a barbárie, é o saque, é a lei do mais forte, é fazer o que quiser, inclusive por cima do outro, sem nada acima de mim que me limite. Não tem nada a ver com a tradição liberal que vem do século 17 justamente para se opor ao arbítrio do mais forte, em especial do tirano. Liberalismo significa que os indivíduos como cidadãos podem de fato mover-se e viver a sua vida em sociedade desde que respeitem as regras pactuadas no contrato social (as chamadas regras do jogo), discriminadas no ordenamento jurídico, do qual  a Constituição é a pedra angular. Não há nenhuma contradição entre a prescrição do uso universal de máscaras como medida de saúde pública e o liberalismo.

Existe uma outra hermenêutica para interpretar essa questão: é a disputa entre dois direitos. Na Constituição estão garantidos ao mesmo tempo o direito à vida e o direito à liberdade (limitada por esta mesma Constituição e pela ordem legal - a liberdade não é absoluta). Considerando-se uma hierarquia dos direitos, evidentemente o direito à vida é superior ao direito à liberdade, porque é a própria vida a fonte dos direitos e somente ela torna capaz um sujeito de exercê-los. Existe ainda o direito constitucional à saúde, que é constitucionalizado como direito do cidadão e dever do Estado. Não faz jus nem à tradição liberal nem à nossa ordem constitucional, colocar, em nome de uma suposta liberdade tiranicamente entendida, a vida de outras pessoas em risco.

Por fim, cabe aqui mais uma reflexão do porquê dessa associação entre o uso da máscara e a fragilidade, do porquê dessa resistência ao uso como medida de saúde pública em meio a uma pandemia assassina, do porquê dessa falta de cuidado para com a própria vida e de empatia com a vida do outro. Isto não é liberalismo, isso é niilismo, e niilismo “gaio”, como o batizou o filósofo italiano Augusto del Noce: niilismo gaio, ou seja, um niilismo sem inquietação, aparentemente alegre, mas com uma profunda dor, devido à falta de sentido e de significado para a própria vida. Muitas destas pessoas que estão no hoje nos bares, nas praias e em festas e aglomerações sem máscaras, desrespeitando aberta e muitas vezes cinicamente as recomendações das autoridades sanitárias não estão “buscando a felicidade e evitando o sofrimento” como muitas vezes se alega, para justificar, explicar e até legitimar tais atitudes.

Não podemos aqui ser Polyanna e nem discípulos do Dr. Pangloss: estas pessoas não estão buscando a felicidade, estão buscando a anestesia, uma anestesia que as impeça de sentir a profunda dor da falta de sentido e de significado para a própria vida. Nestes casos, a dor é tão grande e tão profunda que preferem mesmo correr o risco de contraírem o vírus e morrer, a fim de conseguir anestesiar a dor. Este fenômeno que estamos observando pode render um belo estudo sobre a antropologia “da máscara”, do homem brasileiro que se recusa a usá-la, bem como buscar descobrir qual é a origem dessa falta de sentido, dessa falta de significado, dessa dor imensa, desse ressentimento, ou seja, deste niilismo gaio que busca se justificar e se legitimar como “liberalismo”.

Dimitri Martins, mestre em Administração pela UFBA e especialista em Gestão Pública pela Enap, é analista de Políticas Sociais no Ministério da Economia.

2 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 2 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • G

    GUILHERMO BRASIL RASQUIN

    ± 9 dias

    Tenho cumprido direitinho esse toque de recolher imposto a decreto goela abaixo, e coloco a focinheira quando preciso levar o lixo lá fora. Fico em casa bem trancado, tentando animar meu filhote. Deve ser por isso que até agora não vi ninguém contaminado com o o tal vírus chinês. Graças a Deus! Entretanto, observo vizinhos esquerdistas que não se importam em "dar uma saidinha" na calada da noite, fazer mini-covidões em seus apartamentos regados a psicotrópicos e funk ginecológicos. Era não parecem estar sentindo tristeza alguma. Será que estou enganados quanto a essas "vítimas da sociedade"?

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]