i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Artigo

Presidente não é cabo eleitoral estrangeiro

  • PorSebastião Ventura Pereira da Paixão Jr.
  • 12/11/2020 18:36
Presidente Jair Bolsonaro
Presidente Jair Bolsonaro| Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

As múltiplas evidências da realidade bem informavam que a eleição presidencial americana seria milimetricamente decidida. Diante um quadro político agudamente polarizado, potencializado pelo trágico advento do coronavírus, era esperada uma participação popular extraordinária nos destinos da democracia yankee. Corrido o pleito com número inédito de votos, restou demonstrado que o ideal democrático segue vivo e vibrante na América, sendo o povo a única, soberana e insuperável fonte de legitimidade do poder.

À luz dos interesses nacionais, as complexidades e as incertezas do plano internacional aconselhavam, antes de impulsos rasos ou infantis, o exercício sábio da serenidade cautelar. Não havia motivos para se vestir de profeta. Incompreensivelmente, a máxima autoridade política brasileira resolveu se antecipar aos fatos. Em ato institucionalmente temerário, o presidente Bolsonaro resolveu abrir apoio ao candidato Donald Trump, como se sua manifestação tivesse algum peso ou utilidade no deslinde eleitoral além-mar.

Ora, em um dos seus artigos inesquecíveis, a sabedoria de Paulo Brossard, ao analisar grave incidente diplomático a envolver o Brasil e um país vizinho, fez questão de realçar que “exacerbar-se em público não é próprio de chefe de Estado”. A lição do nobre homem público gaúcho é ainda mais apropriada frente a sensíveis situações democráticas de nações amigas. Regra geral, a prudência não aconselha pronunciamentos intempestivos, ainda mais quando se trata da maior potência econômica do Ocidente. Numa sentença reta, o presidente da República não é, não pode ser e jamais será cabo eleitoral de candidato estrangeiro.

Objetivamente, o artigo 84, inciso VII, da Constituição Federal determina que cabe privativamente ao presidente da República “manter relações com Estados estrangeiros e acreditar seus representantes diplomáticos”. Trata-se, aqui, de uma das mais altas responsabilidades executivas, intimamente ligada à estratégia de desenvolvimento nacional, a partir de virtuosas alianças externas. Sobre o ponto, a tradição diplomática brasileira, amparada na insuperável conduta modelar de Rio Branco, elegeu a habilidade relacional, a compreensão poliédrica das circunstâncias e a fina destreza de movimentos como marcas de relevo de nossa respeitada chancelaria.

Sem cortinas, a atual ebulição do mundo vê o ruir de inúmeras estruturas do pós-guerra, sem a definição consistente de um novo bloco hegemônico institucionalizado. Nesse ambiente incerto e cambiante, a precaução com declarações relativas à soberania democrática de nações independentes deveria ser maiúscula, exigindo cálculo reflexivo e ponderação racional. Isso porque as palavras, uma vez ditas, importam, trazendo consequências imediatas ou futuras.

No entreato dos acontecimentos, não é preciso ser um mago para saber que o presidente da República deveria se preocupar prioritariamente com Brasil e com os interesses dos brasileiros. Aliás, se tem tempo para dar pitaco sobre assuntos que não são seus, é sinal de que está deixando de lado os graves e urgentes problemas nacionais. E o mais preocupante: declarações diplomáticas temerárias podem gerar consequências externas negativas, além de embaraços severos nos negócios públicos e privados internacionais.

A eleição americana indica a vitória do candidato democrata Joe Biden. Para evitar a sangria do desgaste internacional, algumas autoridades brasileiras prontamente adotaram um discurso ameno de tom conciliador. Fazem bem, pois quanto maior a velocidade de reconstrução de pontes diplomáticas, menores serão os danos e constrangimentos do infundado pronunciamento oficial. De tudo, fica a certeza de que o desconforto da situação poderia e deveria ter sido evitado. Afinal, sempre melhor calar do que falar o que não se deve.

Categoricamente, a alta dignidade do Palácio do Planalto é incompatível com rompantes impensados, especialmente em delicados assuntos externos de consequências imprevisíveis. Quanto ao futuro, entre as muitas percepções do resultado eleitoral americano, há uma que reluz aos fatos: a truculência política cansa, não encontrando eco na consciência plural da sociedade contemporânea. Em vez de conflitos, as pessoas querem soluções. E não é trocando ofensas que se resolvem problemas políticos.

Sebastião Ventura Pereira da Paixão Jr. é advogado e conselheiro do Instituto Millenium.

5 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 5 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • A

    Admar Luiz

    ± 0 minutos

    Blablablá.... O tal do Biden pode adotar um "tom" beligerante, ameaçar o Brasil de retaliação, se intrometer em assuntos que não são de sua alçada, né Dr? Mas imaginem só o "Bozo" defender a pátria mada? "Consciência plural contemporânea"? E esses esquerdista asquerosos tem consciência? Dr? Ah vai catar coquinhos, prezado.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • M

      Marcelo

      ± 1 horas

      Bolsonaro, por favor Fica com a boca calada que a economia está melhorando .....

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • S

        Stanislau Surek

        ± 3 horas

        Bolsonaro não dá e não deu sorte para ninguém que apoiou. É o Mick Jagger da política!!

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • T

          TIAGO SILVA

          ± 5 horas

          Otima Analise!

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          • R

            Repolhinho Bocó

            ± 7 horas

            Bozo deve beber querosene, só pode!

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            Fim dos comentários.