i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Artigo

Professores: quem cuidará deles?

  • PorCleia Farinhas
  • 19/09/2020 08:00
Volta às aulas é marcada por judicialização
Volta às aulas é marcada por judicialização no Brasil.| Foto: Bigstock

Para enfrentar com lucidez os impactos da pandemia na rotina escolar, parece fazer sentido contextualizá-la como um fenômeno para o qual não fomos convidados e que muito menos estávamos preparados para viver. A paralisação das aulas presenciais atingiu simultaneamente 1,57 bilhão de estudantes ao redor do mundo e trouxe à superfície questões cruciais, há muito tempo debatidas no meio educacional, a respeito da necessidade de incluir no currículo a valorização de habilidades e competências socioemocionais para além do recorte do conteúdo formal dos componentes curriculares, bem como insistir na diversidade de abordagens e recursos tecnológicos que viabilizem o direito de aprender com mais autonomia e sentido – aspectos que, por vários motivos, foram sistematicamente negligenciados no chão acadêmico até que, por motivo dessa força maior, tiveram de sair voando do papel e do discurso para a prática não presencial.

Não sem razão, recente nota técnica da Unicef refere-se a essa dolorosa experiência globalizada como o experimento de maior alcance na história da educação ao redor do mundo, chamando a atenção para tudo o que teve de ser modificado ou adaptado – porque a escola, assim como a vida, não parou. Considerando a rotina abruptamente transferida para as aulas não presenciais, ressurge com força a preponderância do papel de professores sob condições adversas, como redução de salários e de carga horária, falta de planejamento, familiaridade ou de recursos para produção de aulas remotas que atendam à uma interlocução eficiente, já que o cérebro de seus alunos tem dificuldade de tornar inteligível grande parte das informações que antes absorvia por meio das interações presenciais.

A partir dessa circunstância, parece então razoável trazer à reflexão os sentimentos (estresse, frustração, tédio, depressão, solidão) dos profissionais da educação que, a exemplo dos profissionais da saúde, têm como objeto fundamental do ofício o relacionamento face a face – e neste momento estão na linha de frente dos serviços essenciais. Segundo pesquisa recente do Instituto Península, já no início do isolamento social, em uma amostra de 7 mil professores com média de 11 anos de experiência nas redes pública e privada de todos os estados brasileiros, 83% se sentiam despreparados para o ensino remoto; 88% deles nunca tinham dado aula de forma virtual antes da pandemia; 75% gostariam de receber apoio e treinamento neste sentido, mas três em cada quatro professores revelaram que não receberam nenhum suporte emocional das escolas durante o período de quarentena.

Esses dados sugerem uma realidade preocupante do quadro docente, em relação a sentimentos de ansiedade e sobrecarga (53% dos respondentes), à preocupação com a saúde mental e física dos alunos (respectivamente 27% e 24%), seguida da saúde física da família (22%).

Não obstante, na contramão do conselho de emergência “primeiro cuide de si, depois da pessoa que estiver ao seu lado”, o dado que chama a atenção e sinaliza para uma providência importante é o baixo porcentual de respondentes (apenas 20%) preocupados com a própria saúde mental e física, em detrimento de preocupações com outros atores do processo, sendo o professor um dos protagonistas. Em meio à discussão sobre um retorno iminente e necessário à rotina presencial nas escolas, sobram perguntas que urgem respostas: como os professores ajudarão outros se não tiverem priorizado o autocuidado? Que condições concretas tiveram antes e durante a pandemia para que isso fosse possível? E, se lhes faltou cuidado, quem, afinal, cuidará deles na iminência do mergulho necessário na atividade presencial com todos os desafios que virão?

Não restam dúvidas de que a escola, com todo o seu aparato de gestão e de infraestrutura, seja corresponsável por priorizar, nesse momento, o acolhimento dos seus professores, antes mesmo dos alunos e suas famílias, por meio de programas de escuta ativa, intenso respeito à individualidade desses sujeitos, adaptações de infraestrutura física, acompanhamento para as mudanças de calendário, processos de avaliação diagnóstica e retomadas de conteúdos essenciais e de treinamento para o cumprimento dos protocolos necessários para a preservação não só da saúde física, quanto da segurança e bem-estar das emoções e da mente. Só assim restauraremos a escola em sua plenitude, a partir das lições deixadas por esse evento mundial, reafirmando-a como “o lugar” insubstituível onde se ensina e, de repente, se aprende.

Cleia Farinhas é gerente pedagógica do Sistema Positivo de Ensino.

5 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 5 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • M

    Momento Fletor

    ± 22 minutos

    É natural haver preocupação com os pequenos mas está provado que eles não são severamente afetados pelo Covid-19; o mesmo, infelizmente, não se pode dizer dos adultos, grupo este no qual estão inseridos os professores e demais colaboradores das instituições de ensino, bem como de toda sua rede familiar.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    Ana Luiza

    ± 27 minutos

    Textinho de ENEM.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • D

    Dissenha

    ± 1 horas

    O texto recorda Theodore Dalrymple em Podres de Mimados. Nesta obra, Dalrymple descreve a moral idílica (Rousseauneana) que produz indivíduos que se jugam vítimas e não apresentam capacidade de auto superação, culpando a sociedade pela sua inação. Hoje, edificados em muitos progressos, e como no dizer de Hussel Kirk, "sobre ombros de gigantes", observamos a contemporaneidade. Esses gigantes ajudaram a construir o País superando incríveis dificuldades, mas tinham o objetivo de ensinar. Por isto, eram respeitados e até hoje admirados.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    Ana

    ± 1 horas

    A articulista não sabe escrever. É uma pena, pois meus filhos estudam em um colégio do grupo positivo. A falta de clareza do texto é absurda. Como alguém que não sabe se expressar com as palavras pode exercer o cargo que ela exerce? É possível, com muita boa vontade, fazer uma ideia do que ela quis dizer. Porém, algumas aulas de sintaxe e semântica não fariam mal aos alunos das faculdades de pedagogia. Ser entendido facilmente é a grande qualidade de um professor. Períodos mais curtos. Menos recursos a argumentos de autoridade (Unicef, por exemplo). Mais coragem de assumir posições controversas (é a favor do retorno das aulas presenciais?). Clareza por favor.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    Luis Franzon

    ± 3 horas

    E marmanjo la precisa de alguem que cuide?? Sao esses ********** pelegos que ficam criando dificuldades e so querem mamar nas tetas do povo. Professores de verdade devem estar preocupados com os alunos. E os que nao sao pelegos provavelmente estao preocupados se ainda vao tee trabalho ou se a escola ja quebrou...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.