i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Artigo

Um mundo de oportunidades ainda distante

Diante de todo o potencial mercado da Internet das Coisas, novamente temos dificuldade acima da média no Brasil

  • PorJulio Omori
  • 23/03/2018 00:01
 | David Paul Morris/Bloomberg
| Foto: David Paul Morris/Bloomberg

Internet das Coisas (ou IoT, de Internet of Things) é a definição para o uso de sensores, atuadores, controladores e tecnologia de comunicação de dados montados em objetos físicos que permitem ser monitorados, coordenados ou controlados por meio da interligação de uma rede de dados ou da própria internet. Desde que os sistemas automáticos começaram a ser desenvolvidos, ainda no século 19, já existe essa filosofia de funcionamento – ou seja, há mais de 100 anos esse conceito é praticado; a grande diferença do que se discute agora é o volume de pontos envolvidos, a velocidade de comunicação entre os dispositivos e a capacidade de processamento desses dados.

Para o conceito ser implantado, existem pré-requisitos. Entre eles, a comunicação de dados, que, basicamente, pode ser classificada com relação ao volume de dados em banda larga e banda estreita. A maior parte dos dispositivos que serão parte da rede de IoT do futuro fará comunicação com requisitos de banda estreita, poucos Kbps. No entanto, o volume de dados de milhões ou bilhões de dispositivos se comunicando é apontado como um dos maiores potenciais de negócio no âmbito das telecomunicações.

Não se pode conceber a massificação dos dispositivos de IoT sem que o custo unitário seja minimizado

Hoje, existem mais de 9 bilhões de dispositivos conectados desempenhando papel de sensores dentro do conceito de IoT. O crescimento tem sido exponencial: além de computadores, smartphones e smartwatches, as smart TVs, utilities de energia, água e gás, e os veículos com conectividade já têm ocupado um número significativo de demanda por conectividade e suas aplicações. Existem previsões de mais de 20 bilhões de conexões até 2020; a massificação, principalmente das cidades inteligentes e de sensores na área da saúde, incrementará muito essa base de cálculo.

Diante de todo esse potencial mercado, novamente temos dificuldade acima da média no Brasil. O trabalho mais consistente sendo realizado é o da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), que está fazendo o mapeamento de toda a cadeia de tecnologia, fornecedores e possíveis gargalos. Os principais já podem ser identificados. O primeiro é a padronização: quais protocolos, padrões de rede e de sistemas computacionais serão utilizados para atender todos os segmentos? Quando se fala em normatização e suas respectivas normas técnicas, ainda temos um grande caminho para percorrer, tendo em vista que muitas tecnologias ainda são proprietárias e não permitem nenhum grau de interoperabilidade entre os dispositivos e segmentos de tecnologia distintos. O ideal seria que todos os dispositivos pudessem ter um código IP (Internet Protocol), pois a gerência por meio da tecnologia IPV6 já está disponível com uma quantidade de códigos IP que atendem nosso desenvolvimento por meio desta classificação ainda por décadas. No entanto, este não é um consenso.

Leia também: A caminho da indústria 4.0 (artigo de Edson Campagnolo, publicado em 15 de agosto de 2017)

Leia também: Você será substituído por um robô? (artigo de Ronaldo Cavalheri, publicado em 12 de outubro de 2017)

A segunda questão importante é a segurança das informações, pois ainda temos um grau de desenvolvimento considerado incipiente. Como existirá um número elevado de dispositivos que podem realimentar a tomada de decisão errada, essa poderá ser decisiva se for manipulada – principalmente se não for utilizada para o bem comum dos usuários. A questão de interoperabilidade, utilização da rede IP de fim a fim e a segurança são pontos que necessitam de mobilização da comunidade técnica, planejamento e políticas públicas. A questão dos custos atrelados a estas características pode ser o maior dos desafios. Não se pode conceber a massificação dos dispositivos de IoT sem que o custo unitário seja minimizado. O fato de não temos essas discussões ainda maduras deve retardar ainda mais a nossa entrada nesse mundo de oportunidades.

Julio Omori, mestre em Engenharia Elétrica e Informática Industrial, é superintendente da Copel Distribuição e professor nos cursos de Engenharia da Universidade Positivo (UP).
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.