Transferência de R$ 400 bilhões em lucro cambial do Banco Central para o caixa do Tesouro depende de aval do CMN: dinheiro vai ajudar a controlar dívida pública.
Transferência de lucro cambial do Banco Central para o caixa do Tesouro depende de aval do CMN: dinheiro vai ajudar a controlar dívida pública.| Foto: Marcelo Andrade/Gazeta do Povo

Para começar esse resumo de notícias. Nesta quinta-feira (27), o Conselho Monetário Nacional (CMN) autorizou que R$ 325 bilhões do Banco Central sejam transferidos para o Tesouro Nacional. O dinheiro só pode ser utilizado para bancar a dívida pública: o valor é resultado do lucro obtido pelo BC com as reservas de dólares no primeiro semestre do ano, o chamado lucro cambial.

Economia queria mais, BC menos. O valor é abaixo do esperado pelo Ministério da Economia. A pasta gostaria de captar R$ 445 bilhões junto ao Banco Central, que obteve lucro cambial de R$ 535,8 bilhões nos primeiros seis meses. O BC resistiu a fazer um maior repasse; entenda o porquê e saiba mais na reportagem de Jéssica Sant’Ana, correspondente da Gazeta do Povo em Brasília.

Utilidade pública

Atualização. O Brasil registrou 44.235 casos e 984 mortes por Covid-19 em 24 horas, informou o Ministério da Saúde. Até a manhã desta sexta (28), a pasta havia confirmado 3.761.391 pessoas infectadas, sendo 118.649 óbitos e 2.947.250 já recuperadas.

Vacina russa e de Oxford. O Paraná, que assinou um acordo de convênio com o governo russo para testar e produzir a vacina Sputnik V contra a Covid-19, planeja iniciar a aplicação em voluntários em 45 dias. A informação foi levada pelo estado à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e 10 mil voluntários devem ser testados; confira na reportagem de Roger Pereira. Além da vacina russa, a Anvisa e a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) discutiram o registro da vacina de Oxford contra a Covid-19; saiba mais.

Quer saber em que pé estão as vacinas contra o coronavírus pelo mundo? Confira este infográfico da Gazeta do Povo  

Educação. O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), anunciou a testagem de adolescentes e crianças das redes pública e privada para avaliar a reabertura das escolas. Leia mais. Independente da datas de retorno nos municípios, um estudo recomenda às escolas deixarem de lado atividades extracurriculares no pós-pandemia. E já que o tema é educação, como anunciamos, o Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) agora integra a Constituição. Como fazer esse recurso funcionar melhor? Leia na reportagem de Leonardo Desideri, correspondente em Brasília.

Política e economia

Atlas da Violência. Nesta quinta (27), o Fórum Brasileiro de Segurança Pública e o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgaram um estudo sobre homicídios no Brasil: foram 57.956 em 2018, 12% a menos que 2017.Porém, o número de negros assassinados aumentou e, em média, uma mulher foi assassinada a cada duas horas. De Brasília, a correspondente Kelli Kadanus apresenta um panorama do perfil das vítimas e onde os homicídios aumentaram e onde caíram.

Posse e reeleição. O ministro Humberto Martins tomou posse como presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ) nesta quinta-feira (27); o correspondente Wilson Lima revela como deve ser o perfil da gestão. Presente na cerimônia, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, articula sua própria reeleição: ele se reuniu com Luiz Fux, que irá assumir o Supremo Tribunal Federal (STF) na próxima semana, e a advocacia da Casa enviou manifestação ao ministro Gilmar Mendes defendendo reeleições nas Casas Legislativas, apesar de isso ser vedado pela Constituição.

Giro pelo mundo. O Acordo Mercosul-União Europeia está ameaçado, segundo admitiu o vice-presidente Hamilton Mourão. “Começou a fazer água”, disse. Nos Estados Unidos, o presidente Donald Trump fez discurso na convenção republicana em busca da reeleição. Também na convenção, o vice Mike Pence rotulou Joe Biden, adversário de Trump, de “cavalo de Troia para a esquerda radical”. Na avaliação de John McCormack, da National Review, há conspiracionistas ganhando espaço no partido Republicano. Também nos EUA, o Furacão Laura atingiu a Louisiana com ventos de 240 km/h e pelo menos seis pessoas morreram no estado.

O que mais você precisa saber hoje

Podcast 15 Minutos

Colunas e artigos

Sobre racismo e violência. Ao observar os protestos no estado do Wisconsin, provocados por uma ação truculenta de um policial contra um negro, Paulo Polzonoff flagrou uma imagem cheia de contradições de uma cidade incendiada por “protestos pacíficos” em meio ao “apocalipse racial”. Também sobre protestos, Dan McLaughlin, da National Review, alerta que a Califórnia tentou viver sem polícia e aprendeu do pior modo que isso não dá certo. Mudando de assunto, mas ainda falando sobre violência humana, o blog Certas Palavras apresenta o vídeo da maior bomba da história que mostra como a humanidade pode ser aniquilada.

Leituras para o fim de semana. Em um texto para degustar entre sábado e domingo, Luís Celso mostra por que você não deve temer a cerveja artesanal. Uma boa dica é tomar a cerveja enquanto assiste “A Promessa”, filme sobre o genocídio armênio e recomendado neste texto de Gabriel Arruda Castro. Aproveite e veja ainda as novas dicas do Cartola F.C e os palpites da rodada do Brasileirão, elaborados pelo Professor Adriano Ribeiro.

Nossa visão

Responsabilidade. Nesta sexta-feira, dia 28, termina o prazo que o presidente Jair Bolsonaro deu ao ministro da Economia, Paulo Guedes, para que apresentasse uma proposta para o Renda Brasil. A ideia inicial de Guedes consistia em acabar com alguns outros benefícios. O presidente rechaçou essa hipótese. Tema para o novo editorial da Gazeta do Povo: Renda Brasil e responsabilidade fiscal.

Em resumo, se Bolsonaro quiser o Renda Brasil como planejou, terá de aceitar um corte em outras despesas ou benefícios. Guedes já prometeu que apresentará uma outra opção que respeita as regras de responsabilidade fiscal. A outra opção é contornar, burlar ou tentar abolir as restrições a gastos maiores para fazer encaixar o Renda Brasil no orçamento sem cortar outros gastos. Este é o caminho certo para um desastre.

Para inspirar

Paciência no fim de semana. Em meio à pandemia, com filhos e pais em casa por mais tempo, e no fim de semana sem atividades escolares, a convivência e a “energia acumulada” dos filhos podem gerar conflitos. Pensando nisso, a Equipe Sempre Família faz uma pergunta: Quer ter mais paciência com os filhos? Estes 5 hábitos simples podem ajudar.

Aproveite as dicas, coloque suas leituras da Gazeta do Povo em dia e tenha um bom fim de semana!

1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]