i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Carlos Heitor Cony

Cortina de fumaça

  • Por*Sergio Costa – interino
  • 18/10/2008 22:03

Difícil encontrar quem nunca tenha escorregado diante de uma pergunta bem colocada, como um toque de craque no cantinho do gol. E, se o autor da questão for o repórter Mário Magalhães, a sagacidade em forma de bom moço, fica ainda mais difícil fazer a defesa.

Eduardo Paes, o bom moço em forma de político, não segurou a língua diante da pergunta e até riu: "Fumei, traguei e não gostei". Já respondeu sabendo que teria de buscar a bola na rede. Ela foi parar no YouTube.

Fumou sim, e daí? Nada demais, noves fora a hipocrisia dominante no meio político, onde parece reinar a máxima do "tudo pode desde que ninguém saiba". Em busca do poder, são construídas imagens de homens irreais, todos tão dedicados à família, ao povo, aos bons costumes... Era aí que estava o ponto. Na imagem imaculável que Paes queria projetar. Por isso a sensação do "frango" tomado e o desconsolo, na platéia do debate da Folha, de seus assessores e aliados ao ouvir a confissão. Baixaram cabeças, balançaram-nas, evidenciaram tiques nervosos.

Tudo bem também. Estavam no papel deles. O papelão foi no fim da tarde daquele dia, quando as redações receberam nota assinada pelo candidato que buscava minimizar a declaração, ensinar aos jornais como editar a informação e jogar a brasa do baseado no colo do rival, batendo numa tecla mais velha do que andar para a frente.

Gabeira e a maconha não dão mais lide, este santo graal que os jornalistas tanto procuram para abrir seus textos e fisgar o leitor pela novidade ou impacto. A nota, que era para consertar o estrago, acabou publicada com a confissão. Um mico. Mas duro mesmo, agora, vai ser Paes explicar lá na Catedral da Fé do novo irmão Marcelo Crivella que só um "tapinha" não dói.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.