i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Carlos Heitor Cony

Presidente bombeiro

  • Por
  • 13/12/2006 17:56

Rio de Janeiro – Para explicar e justificar a sua posição política e ideológica de hoje, o presidente Lula referiu-se à idade, que ainda não é muita, dizendo que uma pessoa velha que insiste em ser da esquerda deve ter problemas, do mesmo modo que um jovem direitista deve ser problemático.

Está na cara que ele tomou a si mesmo como referencial desta frase com um bafio acaciano, que lembra o professor Fernando Henrique Cardoso, useiro e vezeiro em repetir as retumbantes obviedades do conselheiro Acácio.

Desde os tempos da Revolução Francesa, quando se criou o conceito de esquerda e direita, sabe-se que, na juventude, o homem tende a ser incendiário e, na idade madura, prefere ser bombeiro. Para o cidadão comum, uma e outra posição têm uma retórica própria e inofensiva. Para um político profissional, revela mudança de camisa ideológica e, em alguns casos, moral e ética.

O próprio Lula se enquadra num e noutro caso: incendiário na mocidade, bombeiro na maturidade. Ainda bem. Que seria de nós se nosso presidente fosse incendiário? Já temos problemas e aflições suficientes com o presidente que tenta apagar incêndios que ele gostaria de ter provocado quando era sindicalista e político de oposição.

Da mesma forma que FHC se diz social-democrata, repelindo o neoliberalismo que marcou o seu governo, Lula se declara centro-esquerda, um escalão oportunista do espectro político. Sabemos que o centro é como aquela anedota do português que comprou o relógio que lhe foi vendido como sendo de ouro. Um amigo negou que fosse de ouro. Ao ser perguntado por um outro amigo se o relógio era de ouro, ele disse que às vezes era e às vezes não era. O centro é uma posição cômoda de quem é uma coisa ou outra de acordo com as circunstâncias e os interesses pessoais.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.