i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Carlos Ramalhete

A multiplicação das fubequinhas

  • Porcarlosgazeta@hsjonline.com
  • 01/01/2014 21:10

Transportes – automóveis, coletivos, bicicletas e quetais – são uma questão política. Infelizmente, nossos governos os vêm tratando como uma questão eleitoral, o que é completamente diferente.

A multiplicação dos automóveis, devida a uma política eleitoral de facilitação de crédito, vem criando problemas sem que haja respostas políticas ou administrativas coordenadas. Passou a ser possível escapar das latas de sardinha que passam por transporte público na maior parte do país pagando prestações baixas o bastante para estarem ao alcance de um rapaz solteiro que more com os pais e ganhe um salário mínimo. E ainda se leva um símbolo de status na jogada. Irresistível.

O carro, contudo, continua sendo caríssimo, e promete ficar ainda mais caro com a obrigatoriedade de acessórios ditos de "segurança" – bastante duvidosa, aliás – que acaba de tirar de linha as kombis, que tão bons serviços sempre prestaram. O combustível, aqui, também é um dos mais caros do mundo. O que se tem, na prática, é um incentivo ao consumo desregrado, ao endividamento excessivo para adquirir um símbolo de status. E não é um fenômeno isolado: enquanto a população aumentou 11% nos últimos dez anos, o número de veículos aumentou 123%. Isso se traduz em engarrafamentos por toda parte, pressão para a construção de mais vias expressas, dificuldades de estacionamento, mais poluição e ainda menos investimentos em transportes públicos. Um modelo de transportes que imita o modelo individualista norte-americano, mas com preços absurdamente inflados, numa esquizofrenia que só se explica pela necessidade dos governantes de convencer os eleitores pobres de que já estão na classe média.

Ao mesmo tempo, a classe média-alta urbana – a mesma que antes era reconhecida por ter carro – reage à perda do símbolo tentando transferir o antigo status do automóvel para a bike, uma versão sofisticada da antiga bicicleta do pobre. Funciona mais ou menos assim: se o sujeito é muito pobre, mas pobre de marré deci, ele anda de ônibus. Ganhou um trocadinho, compra uma motinha. Quando começa a tirar o pé da lama, anda de carrinho comprado a prestação. Mas, se ele é de classe média tradicional, filho e neto de donos de carros... Ah, aí ele anda de bike, convencido de estar salvando o planeta.

Essa guerra por status e espaço que ora opõe bicicletas, automóveis, motocicletas e os remanescentes do transporte público não é nem pode ser um modelo viável para os transportes, mas a demagogia eleitoreira que impera impede mudanças reais.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.