i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Carlos Ramalhete

O problema sou eu

  • Porcarlosgazeta@hsjonline.com
  • 17/08/2011 21:38
 |
| Foto:

Quando perguntaram ao grande escritor inglês G. K. Chesterton o que havia de errado no mundo, ele respondeu "eu". Pode parecer prova de um orgulho desmedido, mas é uma verdade profunda. O que há de errado no mundo somos nós. E quem pode consertar esse erro somos nós, os únicos que podemos provocar mudanças em nós mesmos.Eu posso – aliás eu devo – procurar me tornar uma pessoa melhor. Mas é mais fácil acusar os outros, e mais fácil ainda julgá-los negativamente por fazerem o que eu não faço. Essa tentação se torna ainda mais forte quando se torna possível aproveitar o poder do Estado e da mídia, nas campanhas milionárias e nas leis que se acumulam, todas destinadas a consertar... os outros. Quer-se que os outros pensem como se pensa, ajam como se age, tenham as prioridades que se tem. Com o auxílio do Estado e da mídia, é possível até mesmo obrigá-las a agir, puni-las por ter esta ou aquela prioridade ou fazer com que se calem ao invés de dizerem o que realmente pensam.

Com isso, no entanto, a sociedade não melhora. Ela só poderia melhorar se cada um dos que a compõem buscasse, livremente, melhorar. Se, ao invés de sermos treinados para controlar a vida dos outros, fôssemos incentivados a examinar a nossa própria vida. Se, ao invés de crianças adestradas pela escola e pela mídia para olharem feio para seus próprios pais quando os veem acender um cigarro, tivéssemos crianças incentivadas a observar as suas próprias ações, a sua educação – ou a falta dela – e sopesar a necessidade real deste ou daquele objeto de consumo. Só assim as pessoas melhorariam, e com isso as famílias, e com isso os bairros, as cidades, o país. Tijolo por tijolo, um de cada vez.

Essa postura de vigilância constante do outro sem exame de si mesmo leva a uma sociedade em que reina a mediocridade, em que qualquer besteira que seja dita e repetida na mídia ganha foros de verdade, enquanto a própria verdade é jogada para escanteio. Uma sociedade de crianças mimadas, que se consideram terrivelmente injustiçadas por não ganharem balas ou o brinquedo da moda, sem jamais pensar se os merecem.

Essas crianças podem ter corpo de adulto, cara de adulto, empregos bem pagos. Afinal, o corpo cresce sem que o examinemos; a mente, não. Sem maturidade, contudo, não há crescimento nem responsabilidade reais. Forçar os outros a agir assim ou assado degrada quem força e quem é forçado, sem nada resolver.

No fim das contas, quem examina a própria vida acaba concordando com Chesterton: o problema sou eu.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.