i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Efraim Rodrigues

Não é sobre o Código Florestal

  • Porefraim@efraim.com.br
  • 10/06/2010 21:11

Nesta semana em que estivemos arriscados a retroceder algumas décadas em nossa legislação ambiental tornando o Código Florestal letra morta, evitarei repetir mais uma vez o que tem sido dito (já repeti a primeira vez na frase inicial).

No dia 5/6 a Folha de S.Paulo publicou em sua seção de debates um artigo de Aldo Rebelo e outro de Thomas Lewinsohn, Jean Metzger, Carlos Joly e Ricardo Rodrigues. Jornais precisam vender anúncios e para isso gostam de levantar discussões, mas nesse caso ela não existe.

Aldo Rebelo nunca esteve em uma floresta porque árvore não vota. Ele acredita que estar perto do povo é ser um misto de Bart Simpson e Jeca Tatu. Seu relatório engraçadinho e com fino verniz de cultura não contém dados concretos de fontes fidedignas porque, se o fizesse, colocaria em risco os empregos de seus compadres (Dilma precisa do apoio da bancada ruralista para eleger-se e com isso manter os milhares de cargos de confiança). Antes, respeitava-o ao menos pela capacidade de ser fiel a uma causa, mas um comunista ligado ao agronegócio não merece respeito.

Os quatro professores que assinam o artigo em contrário somam mais de 130 anos de dedicação integral a questões ambientais. Seus salários não serão subtraídos em um centavo mesmo que a Câmara aprove este assassinato do Código.

Como prometi no título, esta não é uma coluna sobre o Código Florestal. É sobre nosso gosto pela ignorância, demonstrado por um jornal de alcance nacional que coloca troca de favores e conhecimento em mesmo nível.

Políticos sabem como é a coisa. Gente como Lula e Sarah Palin se fez alardeando sua ignorância e, não perdoe o jogo de palavras, estão fazendo escola. Por que não copiamos o exemplo de Ângela Merkel, a chanceler alemã doutora em química quântica?

A troca de favores é comum até mesmo dentro das escolas: "Faça networking em nosso curso de pós". Em português claro: Não gaste sua energia estudando, você vai se dar bem usando as amizades que fará aqui. Mas quem criará o IPhone para fazer o networking se ninguém quer de fato estudar?

É o momento de distinguirmos entre ignorância e sensibilidade com a ignorância. Devemos afastar-nos da ignorância por inúmeros motivos, e entre eles, o de aumentar nossa sensibilidade com aqueles que tiveram menos oportunidades (e que serão os maiores prejudicados com a alteração do Código Florestal).

Não faz sentido mantermos caríssimo sistema universitário se interesses escusos e conhecimento se igualam na hora da decisão.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.