i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Flavio Quintela

Restou-nos o Pelé

  • Porcolunagp@flavioquintela.com
  • [25/11/2015] [23:01]

Quem nunca viveu um pouco da rivalidade Brasil-Argentina? É no futebol que ela se manifesta com mais evidência, e ainda hoje os hermanos insistem em dizer que Diego Maradona foi melhor que Pelé (delírio deles, é claro). Mas, futebol à parte, essa rivalidade acabou se tornando realidade também na política, e da pior forma possível: uma competição de quem faz o governo mais populista e mais bolivariano. A briga foi acirrada durante todos esses anos, com os Kirchner se mantendo no poder por nada menos que 12 anos na Argentina, e o PT governando o Brasil pelos últimos 13. Ambos os governos mantiveram proximidade com regimes autoritários como os da Venezuela e de Cuba, ambos aparelharam seus tribunais superiores com juízes ideologicamente alinhados, ambos caminharam em direção à supressão de direitos e liberdades básicas dos cidadãos.

No ano passado tivemos nossa chance de deixar os argentinos para trás, mas em vez disso conseguimos eleger Dilma Rousseff para mais um mandato, o qual parece ter cada vez mais chances de ser levado até o fim. Eles, por sua vez, deram o primeiro passo para sair do buraco em que se encontram ao recusar a continuidade do governo de Cristina Kirchner, que seria levada a cabo através do candidato Daniel Scioli. Mas a população argentina reagiu nas urnas, e elegeu Mauricio Macri, ex-presidente do Boca Juniors e representante de uma frente de centro-direita que resolveu fazer uma oposição de verdade ao governo Kirchner – bem diferente do que o PSDB fez nas últimas 2 disputas presidenciais.

A Argentina tem condições de se recuperar em muito menos tempo que o Brasil

Macri não poderia ter feito uma declaração melhor em suas primeiras entrevistas após a divulgação do resultado: ao dizer que lutará pela suspensão da Venezuela do Mercosul já na próxima reunião de cúpula do bloco, ele sinaliza um posicionamento totalmente distinto em relação ao regime autoritário de Maduro, distancia-se do PT, distancia-se de Evo Morales, e passa a agir como nós esperávamos que o Brasil agisse se tivesse um governo que preza pela liberdade. Nunca é demais lembrar que Maduro perseguiu e matou manifestantes desarmados nas ruas de Caracas, e que mantém presos, em regime de completo isolamento, líderes oposicionistas cujo único crime foi o de terem expressado suas posições políticas abertamente.

Parabéns e obrigado ao povo argentino por ter combatido a onda bolivariana que pretendia pintar o continente de vermelho. Os quatro cavaleiros do apocalipse sul-americano – Lula, Chávez, Morales e Kirchner – e suas duas mulas substitutas – Dilma e Maduro – perderam uma batalha importante. Tivesse o Brasil eleito Aécio Neves, o projeto de poder do Foro de São Paulo teria recebido um golpe mortal com a eleição de Macri. O novo presidente herdará um país em situação difícil – o governo Kirchner seguiu à risca a agenda de esquerda, resultando em crise econômica, deterioração das instituições, supressão de liberdades individuais e corrupção, entre outros males. Aplica-se aqui a velha metáfora do navio que navega para o destino errado: para mudar sua direção não basta desligar os motores, pois a inércia é grande demais e, quanto maior a massa, maior a inércia. A Argentina tem condições de se recuperar em muito menos tempo que o Brasil, que ainda tem pelo menos três anos de má administração pela frente. Se Macri conseguir realizar as reformas que seu país precisa, quando Dilma sair do Planalto o Brasil já não jogará mais na mesma divisão da Argentina. Aí, só nos restará o Pelé.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.