i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Friedmann Wendpap

Por que estamos lá?

  • Porfried­mann­wend­pap@­gmail.­com
  • 04/03/2012 21:03
 |
| Foto:

O incêndio que vitimou dois militares e destruiu a estação Comandante Ferraz na Antártida trouxe à lume a existência da base brasileira na qual se hospedavam cerca de 60 pessoas, entre pessoal de infraestrutura e cientistas. O fogo destruiu as instalações e a discussão sobre a incúria que ampliou a dimensão da tragédia está acirrada. É relevante apurar responsabilidades porque vidas foram perdidas, dinheiro público foi consumido e os destroços estão contaminando o ambiente frágil do Polo Sul, mas há questão preliminar que merece debate: por que os brasileiros estavam no fim do mundo?

Nosso território se esparrama 2.300 quilômetros pela linha do Equador e apenas 8% está em área subtropical. O país mais equatorial do planeta sofre tragédia no gelo! Esse contrassenso tem razão de ser. O Ártico é mar congelado, não há território, mas mesmo assim é objeto de intensas disputas territoriais entre russos, canadenses, norte-americanos, escandinavos, porque há riquezas minerais (petróleo) inexploradas. Os russos recentemente pediram à ONU o reconhecimento de que área do tamanho do Paraná seja acrescida ao seu território. A Antártida, cujo nome foi cunhado pelos gregos como lugar oposto ao ártico (antiártico), é terra imensa, quase o dobro do Brasil e plena de petróleo, carvão, ferro, ouro, água doce. O Polo Sul era lugar de aventureiros e pescadores de baleia, até que nos anos 50 a tecnologia permitiu a presença constante e a exploração mineral. Aí começou a discussão.

O Brasil, cochilando em sono tropical, no século 19 enviou apenas um navio para chegar ao Estreito de Drake, sem aportar e ocupar território. Diga-se, a opinião pública condenou dom Pedro II pela iniciativa. No cenário internacional da Guerra Fria os debates sobre apossamento de território foram resolvidos com o Tratado da Antártida pelo qual os pretendentes congelaram pro tempore as reivindicações territoriais, desmilitarizaram a região transformando-a em santuário ecológico e área de cooperação científica para pesquisas climáticas, geológicas, arqueológicas, ictiofauna e flora. Há poucos anos a validade do tratado foi prorrogada até 2059, sem que esse ou aquele povo estabeleça fronteiras e diga: é minha!

Acordando da nossa macunaímica preguiça que nos impedia de ocupar o interior do Brasil, começamos a marcar presença na terra do gelo. É verdade que a iniciativa não contou com apoio firme dos muitos governos que passaram, mas ainda assim conseguimos manter gente lá estudando e contribuindo para a formação de conhecimento que beneficia todo mundo. É por isso que estamos lá.

A rigor, não hasteamos nossa Bandeira para estabelecer marcos de posse territorial, mas para ter autoridade de dizer que a melhor postura é ver a Antártida como res omnium, coisa de todos, patrimônio da humanidade, insusceptível à apropriação e exploração.

O paraíso idealizado por povos do deserto é verde, cortado por rios de água, mel, iogurte. Talvez o verdadeiro seja imensidão branca de machucar os olhos, com ventos de 70 graus negativos e sem a presença de Adão e Eva.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.