Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
 |
| Foto:

Há semanas escrevi sobre a formação do preço dos bens materiais e imateriais (serviços). Sem rigor acadêmico, foquei a atenção na dificuldade que as pessoas têm para compreender como se fazem os preços e a indignação moral – mas irracional – que surge diante da água mineral a R$ 10 o litro, na ocasião em que várias localidades no Litoral do Paraná ficaram isoladas por causa de tempestade que destruiu pontes e estradas, em 2011. É justo que o preço de item vital se eleve em situação de escassez?

Antes de continuar o raciocínio: ainda que não existisse dinheiro, as pessoas trocariam bens entre si e precisariam apreciar – estabelecer preço – para fazer o escambo de vaca por ovelha. Uma por uma, uma por duas, por três? Uma hora de trabalho do xamã por três do caçador? O preço revela o valor de um bem em relação a outro. Assim, mesmo numa sociedade primitiva (socialista para quem bebe chá de lírio), tudo tem preço.

Como chegar ao preço "justo"? Os filósofos que formaram o pensamento ocidental tinham ojeriza ao lucro. Thomas More dizia que na Ilha da Utopia os preços eram moderados. Comprar barato e vender caro é imoral, segundo nossos pensadores. Bem-intencionados, propuseram critérios morais para a fixação dos preços.

Contudo, nenhuma filosofia supera o fato de a escassez – resultante do balanço entre oferta e demanda – definir o preço das coisas. Muita sede, pouca água, preço alto. Ricardo III, personagem de Shakespeare, ofereceu o reino para pagar um cavalo quando se viu a pé no campo de batalha. O cavalo mais caro da história! A escassez fez o preço.

O furor moralista explode nas passeatas virtuais do Facebook quando o preço sobe, mas ninguém faz campanha para socorrer os comerciantes de água que beiram a falência nos invernos longos. Quem salva os bananeiros do preço de banana? Os revolucionários de teclado não percebem que o encarecimento evita desperdício de recursos materiais e humanos.

Em Lucro sujo – lições para quem odeia o capitalismo, Joseph Heath versa, com graça e leveza, sobre a falácia do preço justo e a tendência a agir com base em intuição moral ante o sofrimento de quem tem dificuldade para pagar preços altos. Heath diz que essa falácia leva as pessoas a culpar os preços pelas injustiças, deixando de dar atenção às diferenças de renda.

A gana populista de controlar os preços ocasiona efeitos nocivos como a falta de papel higiênico na Venezuela. O Brasil teve trauma semelhante com o Plano Cruzado. Por isso, os mecanismos de complementação de renda (bolsas) que nasceram com o Plano Real são importantes porque distribuem renda, propiciando poder de compra sem afetar o equilíbrio dos preços.

A liberdade de fixação de preços, inclusive quando há pouca água para os sedentos, é socialmente mais saudável do que a definição política dos preços nas economias escravas do planejamento central. Na lição de Heath, os preços livres geram eficiência e as ações de complementação de renda, justiça.

O aniversário de 20 anos do Plano Real é ocasião ótima para refletir sobre a recente politização de alguns preços – combustíveis e energia elétrica, por exemplo – que ameaça trazer o passado de volta.

Dê sua opinião

O que você achou da coluna de hoje? Deixe seu comentário e participe do debate.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]