Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...

Acordo no meio da noite fria para escrever. Antes, porém, vou ao quarto de meu filho ver se tudo está bem: se ele está coberto, se ele está confortável, se não precisa de nada – essas coisas de pai. Então ele me diz, no meio do sonho, sem abrir os olhos: "Tem de rimar!" É isso mesmo que vocês leram. "Tem de rimar!" Estaria o Pedro, que ainda tem 4 anos e não sabe escrever, dando lições de poética às 3 da madrugada?

Vou ao computador e ouço a valsa de Arrigo Barnabé, compositor que Londrina revelou ao mundo, numa versão com a voz miraculosa de Livia Nestrovski. É a canção que leva o nome da cidade, uma espécie de segundo hino local (e devo dizer que o hino oficial e o hino do Londrina Esporte Clube também são muito bonitos).

A valsa de Arrigo diz: "E a noite descia tranquila / E a noite envolvia Londrina". Noto que os dois versos fazem uma bela rima toante. Um dia, talvez, o Pedro venha me dizer no meio da madrugada: "Faça rima toante!" Enquanto isso não acontece, vou escutando os hinos da cidade e escrevendo nos horários mais estranhos.

A rima toante – em que só as vogais tônicas coincidem – é praticada por alguns de nossos melhores poetas, como Ivan Junqueira e Miguel Sanches Neto. Penso que o mesmo conceito pode ser aplicado além da poesia. Por exemplo, para explicar o amor que as pessoas vindas de fora têm por esta cidade. Nós, forasteiros – e estou em Londrina há 25 anos! –, fazemos com a cidade uma rima toante que serve perfeitamente à música de nossa vida na Terra Vermelha.

Em outro verso da valsa, Arrigo diz ainda: "O rádio anunciava a Ave Maria". Outro dia visitei o museu com o Pedro e descobri que existiu, há muitos anos, um musical radiofônico chamado Ave Maria de Londrina. Dias atrás, quando mencionei a beleza do céu de Londrina, uma amiga comentou: "É o manto de Nossa Senhora". Recordei-me da música tantas vezes cantada na infância paulistana: "Azul é teu manto, branco é teu véu". Estamos cobertos pelo manto de Maria: não tenha medo, filho.

Está explicado por que às vezes, nas manhãs mais bonitas, eu sinto que Londrina chega a doer. Por um instante, meu coração fica menor: é a saudade do Céu. Talvez isso explique também a melancolia dos poentes vermelhos, algo que sinto desde a infância, quando nem sabia da existência de Londrina. É uma tristeza estranha, irmã da alegria eterna. Uma rima toante anunciada por um menino, no meio da noite, no meio do sonho, no meio do milagre de viver.

Dê sua opinião

O que você achou da coluna de hoje? Deixe seu comentário e participe do debate.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]