i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Paulo Briguet

Viva a mentira

  • Por
  • 10/11/2013 21:10

Uma das principais características da cultura socialista é a mentira obrigatória. Não há exceção para essa regra. União Soviética, China, Alemanha nazista, Itália fascista, Leste Europeu, Cuba, Coreia do Norte – onde quer que a revolução socialista ou nacional-socialista triunfe, a população passa a ser obrigada não apenas a mentir, mas também a aplaudir as mentiras oficiais.

Se retirássemos todas as inverdades e falsidades dos discursos de Lenin, Goebbels, Mao e Fidel Castro, não restariam senão algumas folhas de sulfite. Sob o socialismo, a própria identidade dos países é falsa, como restou provado nos casos da URSS, Tchecoslováquia e Iugoslávia – e um dia, se Deus quiser, também será visto na China.

Esse culto à mentira explica a obsessão da esquerda em censurar o jornalismo e a cultura – especialmente o jornalismo de opinião e a alta cultura. No altar revolucionário, a mentira é um deus a ser incensado e protegido.

Ao mesmo tempo, os socialistas despendem um enorme esforço para criar uma cultura e um jornalismo "alternativos". É daí que nascem os incensados expoentes do atual deserto mental brasileiro.

Trabalhei muitos anos como repórter e editor de cultura. Conheço bem certos gêneros de música. E lamento que tantas vezes eles façam apologia do crime; glamourização da violência; discurso ideológico rasteiro; incitação ao ódio entre classes e ao conflito racial; combate aos valores cristãos; guerra à família. Mesmo quando transformados em celebridades, artistas dos mais radicais posam de vítimas e pregam a destruição de um sistema que lhes dá fama e dinheiro. Difícil conceber uma hipocrisia maior.

Apesar das restrições que faço aos artistas-militantes, não os considero lixos humanos. Até para eles existe esperança de salvação. Se estudarem bastante, quem sabe daqui a alguns anos consigam produzir um poema ou uma canção passável...

Sobre a comparação entre o navio negreiro e o camburão, feita por um desses poetastros revolucionários, faltou esclarecer o seguinte. O navio negreiro – sempre, em todos os casos – é uma coisa abominável. Já o camburão, embora triste, pode ser um instrumento da lei e da justiça. Comparar o navio negreiro ao camburão constitui uma ofensa tanto aos escravos do passado quanto aos policiais do presente (na sua maioria, vale lembrar, negros). O camburão muitas vezes é um daqueles males que vêm para bem; o navio negreiro é o mal que só vem para o mal. Coincidentemente, essa é a mesma diferença que existe entre a economia de mercado e o socialismo.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.