i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Opinião do dia 1

Desarmar significa preservar vidas

  • PorRenan Calheiros, é presidente do Senado Federal.
  • 20/09/2005 18:56

Basta de violência. Não à banalização das armas. Chega de mortes inocentes. Essas são algumas das frases que povoam corações e mentes da maioria esmagadora dos brasileiros. Cidadãos e cidadãs que não suportam mais conviver com a criminalidade e que não desejam, de forma alguma, se entregar à paranóia de se trancar em casa, entre grades, para alcançar a ilusória segurança.

Posso afirmar, calçado em manifestações que recebo, diariamente, e com a base científica de pesquisas de institutos respeitados, como o Ibope e o Datafolha, que oito entre dez brasileiros em idade de votar estão a favor da tese do desarmamento. Isso é reflexo da dor que provoca a perda de uma pessoa próxima em decorrência de um crime praticado por arma de fogo. Quem não tem um vizinho, um parente, um amigo que sofreu algum tipo de violência por pessoa que portava uma arma?

É imprescindível desarmar para acabar com os crimes por motivos banais, ou fúteis. Desde o Ministério da Justiça, quando tomei contato direto com as estatísticas que nos mostram, diariamente, ocorrência de mortes de pessoas inocentes por armas de fogo, até a volta ao Senado, quando começamos a trabalhar efetivamente pela aprovação do Estatuto do Desarmamento e mais recentemente pelo referendo, tenho procurado externar e fortalecer minhas posições com base em levantamentos objetivos e imunes a "achismos".

Não se entra numa campanha pautado apenas pela intuição. Mas os números oficiais nos mostram, com rigor estatístico, que as ações e propostas pontuais para reduzir o número de armas em circulação têm um efeito retumbante nas vergonhosas estatísticas brasileiras e desmentem de maneira cabal a conversa fiada daqueles que são adeptos da filosofia do "dente por dente, olho por olho".

Às vésperas da consulta popular que vai nos dizer se deve ou não ser proibido o comércio de armas e munições, mais um estudo reforça essa luta que, a cada dia que passa, vai organizando a sociedade em comitês, nos municípios de Norte a Sul do país, no sentido de dizer não às armas.

Refiro-me ao levantamento divulgado, na semana passada, pelo Ministério da Saúde, atestando que a mortalidade com arma de fogo registrou queda de 8% no ano passado em relação a 2003. É a primeira vez que a criminalidade por arma de fogo recua nos últimos 13 anos.

Segundo a pesquisa, a mortalidade por arma de fogo, que era de 22,4 por 100 mil habitantes em 2003, caiu para 20,3 por grupo de 100 mil em 2004. Ou seja, em 2003 morreram no Brasil 39.325 pessoas vítimas de arma de fogo. No ano seguinte, esse número caiu para 36.091. Isso quer dizer que mais de 3,2 mil vidas, na maioria de jovens, foram poupadas.

O período em que se deu essa redução coincide com a Campanha do Desarmamento, que já recolheu 443,7 mil armas de fogo em pouco mais de um ano. O curioso é que, nos estados onde houve maior adesão à entrega das armas, houve redução expressiva nos homicídios. Foi o caso do Rio de Janeiro (com menos 10% no número de mortes) e São Paulo (redução de 19%). Conclusão: quanto menos armas em circulação, menos mortes de cidadãos.

A pesquisa é extremamente didática e sugiro a todos que façam uma consulta a ela no site do Ministério da Saúde. São números que nos estimulam a continuar nessa batalha, que não pode envolver armistícios, mas apenas argumentos, fatos, números. Nesse aspecto, creio que o melhor argumento é a defesa da vida.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.