i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Editorial

A aproximação comercial entre Brasil e Estados Unidos

  • PorGazeta do Povo
  • 19/08/2019 18:00
A aproximação comercial entre Brasil e Estados Unidos
| Foto: Alan Santos/PR

As relações comerciais do Brasil com o resto do mundo devem ser examinadas e decididas com bases em algumas premissas. Primeiro, há produtos de que o Brasil necessita e não produz, ou produz em quantidades suficientes; e há produtos para os quais o país tem condições favoráveis de produção, com capacidade de abastecer o mercado interno e gerar excedentes exportáveis. Segundo, há necessidade urgente de expandir os investimentos nos setores da infraestrutura física, infraestrutura empresarial e infraestrutura social, e para isso é importante atrair investimento estrangeiro direto (que é a implantação ou expansão de empresas em território brasileiro por empresários estrangeiros). Terceiro, a indústria brasileira é dependente de importação de máquinas, equipamentos, peças, componentes e insumos. Quarto, o país está atrasado em relação ao grau de conhecimento tecnológico incorporado no sistema produtivo quando comparado com as nações mais adiantadas; logo, é urgente a importação de tecnologias desenvolvidos no resto do mundo. Quinto, com 2,7% da população mundial, o Brasil responde apenas por 1,2 % do comércio internacional, e isso é muito pouco considerando o tamanho do território nacional e a abundância de recursos naturais. Sexto, a saída da recessão e o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) dependem do aumento do consumo interno e também das exportações.

Com algumas ressalvas, praticamente todas as correntes políticas nacionais concordam que o Brasil deve elevar o grau de internacionalização de sua economia, expandir a participação no comércio global, tornar-se atrativo para o investimento estrangeiro, ampliar a base de países com os quais firmar acordos comerciais e adotar uma ousada política de fechamento de convênios com o resto do mundo. Assim, a diretriz de desdenhar as nações adiantadas, até mesmo hostilizando-as – como aconteceu em governos passados –, é um equívoco grave, pois os mercados das nações ricas são amplos e bons compradores dos produtos brasileiros. A opção por um mercado não implica excluir o outro. Enquanto fornece produtos para nações pobres, ou de outros espectros políticos e religiosos, o Brasil deve cultivar também os mercados da China, Estados Unidos e Argentina, que são os três maiores parceiros comerciais do comércio exterior brasileiro; deve levar adiante o acordo com os países da União Europeia; e trabalhar pela ampliação de mercados onde os produtos brasileiros têm sido pouco consumidos. Em relação ao PIB, a participação do comércio exterior brasileiro fica girando em torno de 23%, e o governo já declarou que, nos próximos quatro anos, pretende elevá-la para 30%.

Desdenhar as nações adiantadas, até mesmo hostilizando-as – como aconteceu em governos passados –, é um equívoco grave

Um caso especial é a relação comercial entre Brasil e Estados Unidos. O presidente Jair Bolsonaro vem declarando que seu governo buscará a aproximação com as grandes economias liberais que têm bens, serviços, tecnologia, investimentos e capitais financeiros para oferecer – entre as quais, obviamente, os Estados Unidos. Neste contexto, há um problema a ser contornado: a condição de membro do Mercosul atrapalha muito o fechamento de acordos comerciais isolados, pois reduções bilaterais de tarifas precisam do aval dos outros países do bloco. Isso pode ser obstáculo para o Brasil, pois, dos demais membros do Mercosul, Argentina e Venezuela são historicamente hostis aos Estados Unidos – a Venezuela está suspensa, mas a Argentina corre o risco de voltar a abraçar o protecionismo se a chapa de Alberto Fernández e Cristina Kirchner vencer as eleições de outubro. O governo brasileiro já declarou que pretende buscar maior independência em relação ao Mercosul; afinal, por mais que tenha sido o bloco a assinar o acordo com a União Europeia graças ao atual viés liberal da maioria de seus membros, o crescimento do comércio internacional brasileiro pode acabar amarrado por mudanças de orientação nos vizinhos.

De qualquer forma, o Ministério das Relações Exteriores tem dito que pretende seguir trabalhando para firmar acordo com os Estados Unidos, pois Brasil e EUA são os dois maiores países do continente americano, têm economias dinâmicas e diversificadas, e há grande convergência de valores e interesses. Além disso, os EUA já são o principal destino das exportações brasileiras de produtos manufaturados, além de serem um investidor tradicional no Brasil. Em nota, o Itamaraty afirmou ainda que as empresas brasileiras têm investido cada vez mais nos Estados Unidos como forma de ganhar escala, absorver tecnologia e lançar-se ao mundo, e que as relações entre as respectivas sociedades também vêm ganhando importância por meio do incremento de viagens de turismo e negócios, intercâmbio acadêmico e atividades culturais.

O Itamaraty fala que os dois países têm interesse em elevar a qualidade das relações bilaterais, e cita especificamente a melhoria do ambiente de negócios e o fomento dos investimentos, a facilitação e desburocratização do comércio, a ampliação das iniciativas conjuntas em ciência, tecnologia e inovação, e o fortalecimento da cooperação em matéria de defesa, segurança, energia, espaço exterior, educação e cultura. Nunca é demais lembrar que a revolução tecnológica moderna e os mais importantes inventos que estão modificando a economia mundial concentram-se nos países adiantados, incluindo, por óbvio, os Estados Unidos. Mas a intenção de ampliar as relações entre os dois países não existe apenas no lado brasileiro. O governo dos Estados Unidos acaba de declarar abertamente que quer ampliar as relações com o Brasil e firmar acordos comerciais.

As relações entre o Bolsonaro e o presidente Donald Trump são boas e próximas, a ponto de o presidente norte-americano ter dito que os Estados Unidos irão trabalhar para fechar um acordo de livre comércio com o Brasil, o que foi definido pelo secretário de Comércio Exterior do Ministério da Economia brasileiro, Marcos Troyjo, como um “tratado mais ambicioso e abrangente possível”. Troyjo lembrou que há várias formas de acordos e parcerias comerciais possíveis, mas o governo brasileiro deve buscar um entendimento que inclua a retirada de tarifas e a criação de cotas de importação com menos tributos. Entretanto, um acordo desse tipo terá de ser fechado com o aval dos demais parceiros do Mercosul. Em resumo, Brasil e Estados Unidos vivem um bom momento nas relações bilaterais, cujos resultados podem ser benéficos para o projeto de tirar o Brasil da grave crise e do elevado desemprego.

7 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 7 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • F

    FCM

    ± 6 dias

    Bom texto. A aproximação comercial com EUA é ótimo para o Brasil e acredito que pode render ótimos frutos. Em meu ponto de vista, aproveitar a proximidade com Trump é algo que esta sendo bem feito pelo governo Bolsonaro. A ressalva para nossa politica externa é colocar os ovos dentro da mesma cesta. Esperar sucesso e prosperidade comercial somente com negocios com EUA, sem colocar os riscos de uma não reeleição de Trump e desdenhar e arranjar intrigas com outros países (Bolsonaro já criticou Noruega, Dinamarca, França, Argentina, China, Irá, México, sem contar Cuba e Venezuela) é atitude suicida. Relações diplomaticas/comerciais não é um jogo de truco como o Bolsonaro acredita que é.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • T

      tamotsu kashino

      ± 6 dias

      Brasil deve firmar acordo comercial com EUA, mercosul está patinando devido restrição da Alemanha e França, mas com EUA as negociações será rápido, e não será apenas comercial mas abrangendo muitos outros, como assuntos militares, investimentos, assuntos espaciais e muitos outros, investidores americanos estão de olho na privatisações do governo Bolsonaro e serão principais intereçados, quanto a mercosul levará muito mais tempos do que estão esperando.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • A

        AMAURI

        ± 6 dias

        Trump, milionário bem sucedido. Bozo, alguém poderia explicar?

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        2 Respostas
        • A

          AMAURI

          ± 6 dias

          Austríaco-PR: Entender o quê, Pateta? A aposentadoria do Bozo aos 33 anos? A péssima carreira militar do seu ídolo? Os 30 anos de NADA na política? As bravatas e mentiras espalhadas por todos os lados? Explica aí.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

        • A

          Austríaco-PR

          ± 6 dias

          Acho que nem desenhando você entenderia.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

      • E

        Elias Quadros

        ± 6 dias

        sim e a posição do Brasil é de quatro.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • J

          JULIANO MACHADO OLIVETTE

          ± 6 dias

          Sim, o Brasil precisa melhorar sua trocas com os EUA, aproveitar o bom momento de convergência das relações. Mas acredito que se deve buscar mais discrição, e não absorver as diversas pautas do atual Governo Americano, muitas delas não nos interessam em nada, muito pelo contrário.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          Fim dos comentários.