i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Editorial

A dificuldade de consertar erros

  • PorGazeta do Povo
  • 23/05/2019 19:25
A dificuldade de consertar erros
| Foto:

Quanto à administração financeira, é comum a comparação entre a gestão de um governo nacional e a gestão de uma empresa. Não raro, surgem propostas para que o governo nomeie como titular da Fazenda (hoje Ministério da Economia) um empresário ou executivo experiente e com histórico de sucesso na administração das finanças de alguma grande empresa. A princípio, a proposta pode parecer boa, pois tanto na vida das empresas como no governo há receitas, despesas, investimentos, financiamento, endividamento, juros, custos, déficits, superávits e uma lista de outros problemas financeiros comuns, e isso pode induzir as pessoas à crença de que, como uma empresa e um governo têm de gerenciar assuntos iguais, um empresário de sucesso seria, por consequência, um bom ministro. A questão é que, apesar de tantos assuntos comuns, a semelhança entre governo e empresa acaba aí.

Inicialmente, vale lembrar que governo é uma entidade econômica que não produz; logo, não depende nem de eficiência, nem da venda de produtos para obter receitas necessárias à cobertura de custos e o risco do negócio. O governo é um administrador que tem o poder concedido por lei para tomar uma parte da renda das pessoas e das empresas e, com o dinheiro arrecadado, contratar fornecedores privados e funcionários com a finalidade de executar obras (investimentos) e serviços públicos. O que acaba acontecendo é que, uma vez instalado, o setor público (que seria mais adequado chamar de setor estatal) organizado em três poderes – um que legisla, outro que executa e um terceiro que processa, julga e condena – fixa suas despesas e estima as receitas (tributos) necessárias para pagar a conta.

Não importa se as contas públicas estão estouradas ou se a dívida pública atingiu níveis elevados e perigosos, a gastança não para de crescer

A proposta orçamentária enviada pelo Poder Executivo ao Poder Legislativo para análise e aprovação – e isso vale no âmbito dos municípios, dos estados e da União – acaba sendo uma peça que, dado o tamanho do governo e sua estrutura de gastos, define o quanto deve ser cobrado das pessoas e das empresas sob a forma de tributos (impostos, taxas e contribuições). Logo, é o setor privado quem produz e entrega, sob a força da lei, uma parte para o governo a fim de que este cubra suas despesas. Ademais, o governo ainda tem a prerrogativa de, quando gasta mais do que arrecada, ir ao mercado financeiro tomar empréstimos para pagar seus déficits, sendo que, na esfera federal, o governo ainda pode emitir moeda, como foi feito durante muito tempo no Brasil.

Outro aspecto a destacar é que, segundo a lei, os bens públicos são inalienáveis – e, por isso, são impenhoráveis – e o setor estatal não está submetido à Lei de Falências, enquanto uma empresa, se não pagar seus débitos, pode ter seus bens penhorados, alienados e/ou ter sua falência decretada. A inadimplência de um ente público (estatal) pode levar a empresa credora a não conseguir pagar suas contas e ir à falência. É longa a história de credores do governo que, em ato de desespero para receber seus créditos, recorreram ao suborno, pois o meio judicial para tentar receber o que lhe é devido pode demorar anos para ter solução, seja pela via do processo ordinário, seja pela via do processo de execução.

Leia também: A recessão e a ameaça (editorial de 19 de maio de 2019)

Leia também: Esquecendo o necessário (editorial de 7 de maio de 2019)

Somente os aspectos citados são suficientes para mostrar a diferença que há entre a gestão financeira de uma empresa e a gestão financeira de uma prefeitura, um estado ou da União federal. Apesar disso, a sociedade brasileira e seus políticos se acostumaram a não discutir a frase simples que milhões de famílias e de empresas se fazem todos os dias diante da necessidade de equilibrar suas finanças: “de onde virá o dinheiro para pagar a conta?”. Não importa se as contas públicas estão estouradas ou se a dívida pública atingiu níveis elevados e perigosos, a gastança não para de crescer e os grupos de pressão seguem querendo cada vez mais dinheiro, coisa que se agrava à medida que o Produto Interno Bruto (PIB) não cresce e a tributação que dele deriva não aumenta no ritmo necessário.

O Brasil tem muita dificuldade para consertar erros, tantos os estruturais (o inchaço da máquina estatal) como os conjunturais (concessão de aumentos salariais para categorias bem remuneradas). Além da dificuldade de consertar erros do passado, a gestão financeira pública sofre os efeitos de erros novos, como é o caso da elevação do teto constitucional no fim de 2018, passando de R$ 33,7 mil para R$ 39,2 mil, medida esta que, pelo efeito cascata, provocará novos rombos nas contas fiscais. Nessa mesma linha está o conjunto de ações de partidos de oposição contra a reforma da Previdência – que qualquer estudante de ciências atuariais sabe ser absolutamente necessária diante do aumento da expectativa média de vida da população.

Se o Brasil não começar a aprender que os erros e os problemas precisam ser enfrentados e, se não consertados, pelo menos reduzidos, o resultado será um só: o país não terá crescimento econômico e não sairá da pobreza que caracteriza a realidade nacional.

10 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 10 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • R

    Rômulo Viel

    ± 10 dias

    Muito bom! Texto esclarecedor.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • P

    Paulo Reckziegel

    ± 10 dias

    É pensar que o PT era o partido de quem mais se esperava algo contra esse sistema corrupto que corrói a economia a décadas. Bradavam aos quatro cantos que seriam "diferente" de tudo e de todos. Pura lorota. Foi o pior governo de todos até hoje, o que mais trouxe desgraça ao povo.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    RONALDO MAGNAVACCA

    ± 10 dias

    O assunto é velho pois isso está ocorrendo ha muitos anos, porem se acentuou quando os governos petistas se instalaram. Agora, fica difícil tirar o doce de quem ja se lambuzou com o mel, esse mel amargo ao contribuinte que ficará pobre, tao pobre que nem agora estão os venezuelanos que perderam tudo e agonizam por um prato de comida em outros países....será que realmente é isso o que os nossos parlamentares querem para o povo brasileiro....

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    Ae Carvalho

    ± 10 dias

    O poder que deveria emanar do povo está nas mãos da classe politica, que engana e manipula para beneficiar seu proprio bolso.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    Luca

    ± 10 dias

    Excelente matéria!! Parabéns GP

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • S

    Sandro Nunes Chagas

    ± 10 dias

    E a gente aqui impotente sem poder fazer nada. O conceito de democracia tinha que mudar pq nem sempre o poder emana do povo.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • V

    Valdemar Katayama Kjaer

    ± 10 dias

    Que o exemplo seja dado nos três poderes. Começando pelo presidento: que tal abrir mão de regalias, aposentadorias precoces acumuladas? Nem peço a devolução dos auxílios imorais que recebeu na sua longa carreira parlamentar apagada... O povo precisa pedir reformas para o congresso ser pressionado, mas esse convencimento seria mais fácil se houvesse exemplo do presidento e seus filhos.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • F

      FERNANDO LUIZ POZZOBON

      ± 10 dias

      Então lula roubou, vamos todos roubar?

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Mário

    ± 10 dias

    Este país não tem jeito... pelo menos até mudarem todos que sitiam as Camaras Federais e o STF. É muito simples, uma família com dez filhos e todos já adolescentes e estudando em diversas faculdades. Os filhos gastando como querem acabam com o orçamento paterno em cinco dias. E o paizão busca empréstimos nos parentes e vizinhos mas nunca paga... Assim é o Brasil. Não tem jeito !!!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    Luciano

    ± 10 dias

    Excelente resumo do Brasil para leigos e ignorantes. Parabéns pelo Editorial. Simples e direto ao ponto.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]