i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Editorial

A guerra comercial entre Estados Unidos e China

Tarifas crescentes até podem abrir oportunidades momentâneas para outros atores conquistarem mercados, mas no médio e longo prazo o mundo inteiro perde

  • PorGazeta do Povo
  • 20/09/2018 00:01
 | Mandel Ngan/AFP
| Foto: Mandel Ngan/AFP

Quando duas das principais potências econômicas do planeta entram em rota de colisão, não há como imaginar que o resto do mundo tenha muito a ganhar. A guerra comercial entre Estados Unidos e China, que está aumentando com a imposição de novas tarifas sobre produtos de ambos os países, em tese favoreceria outros mercados fornecedores que podem ganhar novos consumidores, mas o benefício é pequeno se comparado a toda a instabilidade criada no sistema de comércio global.

Em poucos dias, os Estados Unidos elevarão para 10% suas tarifas sobre o equivalente a US$ 200 bilhões em produtos chineses, e no início de 2019 essas mesmas tarifas subirão para 25%. Entre as alegações do governo norte-americano está a de que a China desrespeita boas políticas e práticas que envolvem tecnologia e propriedade intelectual. Na terça-feira passada, Pequim anunciou sua retaliação: tarifas de 10% sobre mais de US$ 60 bilhões em produtos de origem norte-americana, com o aviso de que as medidas podem ser intensificadas. Donald Trump respondeu afirmando que, se a taxação efetivamente for implantada, mais US$ 270 bilhões em mercadorias de origem chinesa podem ser tarifadas nos Estados Unidos.

O sistema multilateral de comércio, edificado a duras penas ao longo de décadas, corre risco

Defensores de Donald Trump afirmam que a escalada, além defender os interesses norte-americanos, ainda faz parte da estratégia do presidente para conseguir mercados mais livres no futuro: para eles, o que Trump faz é “botar o bode na sala” para, depois, convencer o mundo do quão nocivo é o protecionismo comercial. Supondo que essa realmente seja a ideia do norte-americano, a chance de isso não funcionar é enorme. O bilionário Jack Ma, presidente do grupo Alibaba, já afirmou que a guerra comercial pode durar décadas, e o diretor-geral da Organização Mundial de Comércio, o brasileiro Roberto Azevêdo, disse acreditar que os dois países ainda podem adotar outros tipos de barreiras comerciais além das tarifárias. O “bode na sala” vai afetar o crescimento global e a instabilidade deve pressionar o câmbio nos países emergentes, já que em tempos turbulentos a tendência é a migração para a segurança do dólar.

Leia também: A guerra comercial de Trump (editorial de 6 de março de 2018)

Leia também: A trégua na guerra comercial (editorial de 29 de julho de 2018)

Se há alguma esperança, está no fato de que a escalada não pode durar para sempre. A China já cobra impostos de importação sobre 85% das compras que faz dos Estados Unidos e, além disso, não tem como contar eternamente com a demanda interna para bancar seu crescimento, e nem desvalorizar sua moeda indefinidamente para ser mais competitiva internacionalmente sem consequências internas. Do outro lado do oceano, se é verdade que os norte-americanos ainda têm margem de manobra muito maior na guerra comercial, pois apenas metade das importações oriundas da China é taxada, haverá consequências sobre o consumidor americano, afetado com altas de preços, não apenas daqueles produtos que vêm diretamente da China, mas daqueles cujas cadeias de produção incluem o país asiático em maior ou menor grau. Uma fábrica localizada nos Estados Unidos, mas que tenha fornecedores chineses precisará encontrar novos fornecedores ou encarar as novas taxas, inevitavelmente repassadas ao consumidor, ainda que as autoridades norte-americanas aleguem estar estudando cuidadosamente as listas de produtos para minimizar o impacto dentro dos EUA.

A escalada nas tarifas até podem abrir espaço para outros países – seja emergentes, seja potências como a União Europeia – buscarem novos fornecedores e consumidores nos Estados Unidos e na China, mas o estrago maior está no sistema internacional de comércio como um todo. Azevêdo lembrou, em evento no Rio de Janeiro, que o discurso usado na guerra comercial “chega mesmo a rejeitar alguns princípios básicos do comércio internacional”, segundo o jornal O Estado de S.Paulo. O fato de os dois países buscarem resolver suas diferenças pela guerra comercial, em vez de recorrer à OMC, também é sintoma preocupante de que o sistema multilateral de comércio, edificado a duras penas ao longo de décadas, corre risco.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.