Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
 | Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
| Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Nesta quinta-feira (11), o presidente Jair Bolsonaro deu início a uma pauta que constava nas metas para os primeiros 100 dias de governo: anunciou um projeto de lei que visa dar autonomia formal ao Banco Central (BC). Com a aprovação do projeto, o BC passará a ser formalmente independente de outros órgãos e terá seu mandato definido em lei. 

O projeto enviado pelo governo ao Congresso tem o mérito de propor um mandato único, de cumprimento da meta de inflação. Isso evita os riscos de mandatos com mais de uma meta, como uma combinação de controle de inflação e crescimento, que poderiam produzir situações de conflito. Várias vezes nas últimas duas décadas o BC precisou tomar medidas amargas para manter o controle inflacionário e que não combinaram com uma meta de crescimento ou pleno emprego. 

Outro mérito do projeto é escalonar a troca dos diretores da autoridade monetária e estabelecer um mandato de quatro anos para seu presidente sem que este coincida com o do presidente da República. Isso resguarda o BC de guinadas em sua gestão impulsionadas pelo cenário político.

A autonomia formal de um banco central não é garantia de que ele será melhor na busca de metas de inflação

A autonomia formal de um banco central não é garantia de que ele será melhor na busca de metas de inflação. Os dados de países com sistemas de metas como o do Brasil mostram que, mais importante do que uma autonomia escrita em lei, é a atuação da autoridade monetária livre de interesses políticos de curto prazo. Países com instituições políticas estáveis são mais bem sucedidos na manutenção da estabilidade monetária, com ou sem lei. 

A história recente do Brasil, no entanto, coloca o país entre aqueles que têm a ganhar com a aprovação do projeto proposto pelo governo. Há pelo menos duas boas razões para acreditarmos nisso: o funcionamento ainda tortuoso do sistema político e a pressão feita sobre o BC entre o fim do segundo governo Lula e todo o governo Dilma Rousseff. 

No momento, os obstáculos para a tramitação da reforma da Previdência mostram que o sistema político ainda tem dificuldades em entender seu papel no controle das contas públicas como parte da política monetária. Sem o cumprimento desse papel do Congresso, o BC fica na posição delicada de muitas vezes ser o último guardião da estabilidade monetária. Ele tem, assim, uma posição natural de contrariar a vontade política de monetizar déficits públicos. 

Em um sistema político ainda imaturo, o BC sem autonomia também pode ser vítima de uma manipulação feita através da nomeação de seus dirigentes. Foi assim que o governo Dilma Rousseff instituiu seu modelo econômico que combinava controles de preços e juros artificialmente baixos. Um estudo posterior feito por técnicos do próprio BC mostrou que a manutenção de juros baixos no momento errado contribuiu para o surto inflacionário do início do segundo mandato de Dilma.

Leia tambémO Banco Central sob novo comando (editorial de 27 de fevereiro de 2019)

Leia tambémA oportunidade dada pela inflação baixa (editorial de 15 de janeiro de 2019)

A lei, no entanto, não é garantia de um BC sempre funcional. Em um período de dois mandatos presidenciais ainda será possível a um governo mudar radicalmente os rumos da autoridade monetária. Mas esse processo será mais gradual e mais debatido pela sociedade. 

Mesmo com a lei, a sociedade precisará continuar exigindo a nomeação de dirigentes com capacidade técnica e compromisso com a estabilidade do país e com o desenvolvimento do mercado financeiro. Esse é um investimento que se paga. Em pouco mais de dois anos de gestão, o último presidente do BC, Ilan Goldfajn, recuperou a confiança do mercado, ancorou as expectativas sobre a inflação e abriu caminho para a redução dos juros. 

Os desafios futuros para o BC não serão menores. A autoridade monetária será cobrada a contribuir mais para o crescimento, ao mesmo tempo em que ainda lida com uma economia bastante indexada – fator que limita a queda da inflação no longo prazo. Também há a expectativa de que a regulação aumente a competição no mercado financeiro e reduza o custo do dinheiro no país. Tudo isso sem contar de forma segura com a colaboração do Congresso, sempre aberto a pautas-bombas. Nesse cenário, a autonomia operacional será um trunfo para a manutenção da estabilidade.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]