i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Editorial

A mão muito visível do “Estado empresário”

  • PorGazeta do Povo
  • 10/10/2019 18:00
O secretário especial de Desestatização, Salim Mattar, afirma que o governo deve arrecadar até R$ 150 bi com privatizações e vendas de ações.
O secretário especial de Desestatização, Salim Mattar, afirma que o governo deve arrecadar até R$ 150 bi com privatizações e vendas de ações.| Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Papelbrás. Cervejabrás. Cimentobrás. Palhadeaçobrás. Essas empresas obviamente não existem, mas o exagero serve para mostrar o tamanho da mão bastante visível do Estado sobre a atividade econômica. Uma equipe do Ministério da Economia responsável por descobrir quantas são, afinal, as empresas controladas pelo governo ou nas quais ele tem alguma participação chegou a um número muito maior que o imaginado. São inacreditáveis 637 companhias, sendo 46 de controle direto da União; outras 159 subsidiárias, pertencentes a estatais; 233 coligadas, que têm influência de estatais ou subsidiárias em sua administração; e, por fim, mais 199 empresas nas quais o governo tem participação acionária, normalmente por meio do BNDES ou do Banco do Brasil. Neste último grupo entram, por exemplo, Ambev, Suzano, Klabin e Bombril. “A União tem ação da Bombril. Não temos gaze nos hospitais, mas temos milhões de reais em empresas”, reclamou o secretário de Desestatização, Salim Mattar.

Não faz o menor sentido, e o mero fato de só agora o Ministério da Economia ter se dado conta do tamanho do problema indica o descontrole com que o governo federal – seja diretamente, seja por meio dos bancos sob seu controle, especialmente com a equivocada política de "campeões nacionais" do governo petista – foi ampliando sua presença na economia. E pior: isso foi feito de forma tão abrangente que ficou impossível promover uma retirada veloz, já que a venda imediata de participações tão substanciais em tantas empresas provocaria um terremoto no mercado acionário. Mattar promete que o BNDES irá vender sua parte em várias empresas, mas “de forma a não perturbar o mercado”, sendo “céleres de forma gradativa”.

A redução do tamanho do Estado e de sua atuação na atividade econômica é uma das reformas mais importantes que o atual governo se propôs a fazer

A dor de cabeça que Mattar terá para se desfazer dessas participações minoritárias sem tumultuar a bolsa de valores, no entanto, é um incômodo bem leve em comparação com o desafio de vender as empresas diretamente controladas pelo governo. Se a questão das subsidiárias está resolvida, após o plenário do Supremo Tribunal Federal ter decidido que a privatização dessas empresas é decisão exclusiva da companhia-mãe, a novela das demais estatais está longe de acabar, pois, no mesmo julgamento, a corte criou uma regra inexistente na Constituição e passou a exigir aval do Congresso para cada privatização, e não apenas das estatais que explicitamente dependem de lei específica, como a Petrobras, o Banco do Brasil ou a Eletrobrás.

O governo tem minimizado o impacto desta decisão, alegando a lei já existe: trata-se da Lei 13.334/16, que instituiu o Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), no governo Michel Temer. Portanto, bastaria incluir nela, por meio de decreto, boa parte das empresas que o governo quer privatizar. Essa prática, inclusive, foi usada por Lula e Dilma Rousseff, que alteraram em diversas ocasiões a Lei 9.491/1997, sobre o Programa Nacional de Desestatização, o antecessor do PPI. No entanto, é praticamente certo que haverá resistência e nova judicialização – é preciso lembrar que a ação julgada no Supremo em junho foi proposta por sindicatos e associações de empregados das empresas que seriam afetadas por privatizações, e há parlamentares de esquerda dispostos a ressuscitar o tema das subsidiárias.

A redução do tamanho do Estado e de sua atuação na atividade econômica é uma das reformas mais importantes que o atual governo se propôs a fazer. Agora sabemos que, durante a campanha, no período de transição e no início do atual governo, criou-se uma expectativa que não tinha como ser concretizada, definida na meta de “uma estatal por semana”. A realidade é a de um processo lento e que dependerá não apenas de Jair Bolsonaro, Paulo Guedes e Salim Mattar, mas também da boa vontade de muitos outros agentes, políticos e econômicos, nem sempre dispostos a facilitar as coisas. Mesmo assim, nestes nove meses de governo já foram levantados R$ 96 bilhões em privatizações, concessões e desinvestimentos, superando a meta do ano inteiro. Que este seja apenas o começo da devolução da atividade econômica a seus verdadeiros protagonistas, o setor privado.

1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 1 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • E

    Eduardo

    ± 2 horas

    Será um longo caminho para o Brasil, enfim, descobrir o capitalismo.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]